Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

19

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

19

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 91 Número 5 S1




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Melanomas múltiplos cutâneos associados a metástases gástrica e encefálica*

Multiple cutaneous melanomas associated with gastric and brain metastases*


Lara Caroline Grander1; Fernanda Cabral1; Alice Paixão Lisboa2; Gabrielle Vale3; Carlos Baptista Barcaui1; Juan Manuel Pineiro Maceira1,4

1. Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) – Rio de Janeiro (RJ), Brasil
2. Clínica privada – São Paulo (SP), Brasil
3. Clínica privada – Rio de Janeiro (RJ), Brasil
4. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) – Rio de Janeiro (RJ), Brasil

Recebido em 15.01.2015
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 27.04.2015
Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum
Como citar este artigo: Grander LC, Cabral F, Lisboa AP, Vale G, Barcaui CB, Maceira JMP. Melanomas múltiplos cutâneos associados a metástases gástrica e encefálica. An Bras Dermatol. 2016;91(5 Supl 1):S98-100.

Correspondência:

Lara Caroline Grander
Boulevard 28 de Setembro, 77 Vila Isabel
20551-030 - Rio de Janeiro - RJ Brasil
E-mail: granderlara@gmail.com

 

Resumo

A ocorrência de múltiplos melanomas primários em um único indivíduo é rara. Mais comumente, as lesões melanocíticas malignas posteriores ao diagnóstico inicial de melanoma são metástases cutâneas secundárias. Relatamos o caso de um paciente com quadro de hemorragia digestiva originária de metástase gástrica de melanoma cutâneo. Durante a avaliação clínica e estadiamento, também evidenciaram-se metástase encefálica associada e presença de três melanomas primários cutâneos. Aventa-se a possibilidade de pesquisa da mutação do gene inibidor de quinase dependente de ciclina 2A (CDKN2A) (INK4a) para tais casos. Enfatizamos, também, a importância do exame clínico e dermatoscópico por toda a extensão do tegumento, mesmo após identificarmos a presença de uma lesão melanocítica maligna.

Palavras-chave: Melanoma; Metástase neoplásica; Proteínas inibidoras de quinase dependente de ciclina; Quinases ciclina-dependentes

© 2019 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações