Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

39

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

39

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 92 Número 1




Voltar ao sumário

 

Relato de Caso

Tricotilomania: relato de caso com diagnóstico diferencial clínico e dermatoscópico de alopecia areata*

Trichotillomania: a case report with clinical and dermatoscopic differential diagnosis with alopecia areata*


Ana Cecília Versiani Duarte Pinto; Tatiana Cristina Pedro Cordeiro de Andrade; Fernanda Freitas de Brito; Gardênia Viana da Silva; Maria Lopes Lamenha Lins Cavalcante; Antonio Carlos Ceribelli Martelli

Departamento de Dermatologia do Instituto Lauro de Souza Lima (ILSL) – Bauru (SP), Brasil

Recebido em 14.09.2015
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 26.12.2015
Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum
Como citar este artigo: Pinto ACVD, Andrade TCPC, Brito FF, Silva GV, Cavalcante MLLL, Martelli ACC. Tricotilomania: relato de caso com diagnóstico diferencial clínico e dermatoscópico de alopecia areata. An Bras Dermatol. 2017;92(1):112-4.

Correspondência:

Tatiana Cristina Pedro Cordeiro de Andrade
Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros, quilômetros 225/226
17034-971 - Bauru - SP Brasil
E-mail: tatianap.andrade@gmail.com

 

Resumo

Tricotilomania é uma psicodermatose caracterizada pelo desejo incontrolável de arrancar os próprios pelos. Seus diagnósticos diferenciais são alopecias mais comuns, como a alopecia areata. Associa-se a depressão e transtorno obsessivo-compulsivo. A padronização do tratamento da tricotilomania constitui uma lacuna na literatura médica. Estudos recentes demonstram a eficácia da N-acetilcisteína, um modulador do glutamato, no tratamento da tricotilomania. Relata-se o caso de paciente feminina, de 12 anos, que recebeu o diagnóstico inicial de alopecia areata, porém apresentava critérios clínicos e dermatoscópicos de tricotilomania e foi tratada com a associação de drogas psicotrópicas e N-acetilcisteína, obtendo boa resposta clínica. Em decorrência do caráter crônico e recidivante da tricotilomania, mais estudos precisam ser realizados com intuito de estabelecer um algoritmo formal de tratamento.

Palavras-chave: Alopecia; Dermoscopia; Tricotilomania

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações