Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 75 Número 6




Voltar ao sumário

 

Investigação

Xantelasma: experiência no tratamento de 40 pacientes

Xanthelasma: therapeutic experience in 40 patients


EDILÉIA BAGATIN1, MAURO YOSHIAKI ENOKIHARA2, PATRICIA KARLA DE SOUZA2, FERNANDO SPERANDEO DE MACEDO3

1Doutora em Dermatologia
2Mestre em Dermatologia
3Médico dermatologista voluntário

Recebido em 15.12.1999. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 06.11.2000. Trabalho realizado no Grupo de Cirurgia Dermatológica, Departamento de Dermatologia, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), Escola Paulista de Medicina (EPM).

Correspondência:
Ediléia Bagatin Rua Leandro Dupret, 204 / 11º andar São Paulo SP 04025-010 Tel: (11) 572-7670 Fax: (11) 575-5587 "E-mail":uniderma@saudetotal.com.br

 

Resumo

*FUNDAMENTOS* - O xantelasma caracteriza-se por placas amareladas nas pálpebras. Na maioria dos casos não há nenhuma causa sistêmica, mas pode estar associado a uma dislipoproteinemia, mais freqüentemente à hipercolesterolemia familial com níveis elevados de colesterol e LDL. As razões para seu tratamento são estéticas, e diversas modalidades terapêuticas podem ser empregadas. *OBJETIVOS* - Relatar experiência na avaliação e no tratamento de pacientes com xantelasma, enfatizando os resultados satisfatórios da excisão cirúrgica cuidadosa das lesões, seguida de cicatrização por segunda intenção. *MATERIAIS E MÉTODOS* - No período de 42 meses foram tratados 40 pacientes portadores de xantelasma, sendo 35 mulheres e cinco homens, com idades variando entre 26 e 72 anos, posteriormente seguidos por 18 meses, em média. Os pacientes foram divididos em dois grupos: no primeiro, com 10 casos, compararam-se duas formas de tratamento das lesões - exérese cirúrgica e cauterização química - ; no segundo, com 30 casos, foram acompanhados os resultados da exérese cirúrgica seguida da cicatrização por segunda intenção. Todos os pacientes foram avaliados quanto ao perfil lipídico. *RESULTADOS* - Dos 40 pacientes tratados, 25 (62,5%) tiveram resultado estético ótimo; 12 (30%), bom; e três (7,5%), regular, independentemente da técnica utilizada. A complicação tardia mais comum foi a hipocromia leve, em 12 (30%) casos. Recidivas ocorreram em dois casos (5%), após três e seis meses. Em nove pacientes (22,5%) foram detectados níveis elevados de colesterol e LDL. *CONCLUSÕES* - A retirada cirúrgica cuidadosa do xantelasma oferece resultados satisfatórios, com mínimas probabilidades de recidiva e, às vezes, com hipocromia transitória. Destaca-se a importância da avaliação do perfil lipídico.

Palavras-chave: TERAPÊUTICA., ÁCIDO TRICLOROACÉTICO, CIANOACRILATOS, CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações