Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

36

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

36

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 92 Número 3




Voltar ao sumário

 

Educação médica continuada

Mucormicose cutânea*

Cutaneous mucormycosis*


Ana Daniela Castrejón-Pérez; Esperanza C. Welsh; Ivett Miranda; Jorge Ocampo-Candiani; Oliverio Welsh

Departamento de Dermatologia da Universidade Autônoma de Nuevo Leon - Faculdade de Medicina do Hospital Universitário Dr. Jose Eleuterio Gonzalez – Monterrey, México

Recebido em 16.10.2016.
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 14.02.2017.
Suporte financeiro: Nenhum.
Conflito de interesse: Nenhum.
Como citar este artigo: Castrejon-Perez AD, Welsh EC, Miranda I, Ocampo-Candiani J, Welsh O. Mucormicose cutânea. An Bras Dermatol. 2017;92(3):308-15.

Correspondência:

Oliverio Welsh
Av. Madero y Gonzalitos, Colonia Mitras Centro
Monterrey
Nuevo Leon
Mexico C.P. 64460
Email: owelsh@yahoo.com

 

Resumo

A mucormicose cutânea é uma infecção fúngica emergente causada por fungos oportunistas do filo Glomeromycota. É frequente em pacientes em que o diabetes é mal controlado e em indivíduos com imunossupressão. Geralmente, é adquirida por inoculação direta por meio de trauma. A apresentação clínica é inespecífica, mas uma placa endurecida que rapidamente evolui para necrose é um achado comum. O diagnóstico deve ser confirmado por meio da demonstração do agente etiológico e, recentemente, foram descritos novos instrumentos de diagnóstico molecular. Trata-se de uma doença invasiva que ameaça a vida e, para melhorar a sobrevida, deve ser proporcionado um diagnóstico imediato e uma atenção multidisciplinar. O tratamento de escolha é anfotericina B, mas novos azólicos, tais como posaconazol e isavuconazol, devem ser considerados.

Palavras-chave: Mucormicose; Mucorales; Mucor; Zigomicose; Rhizopus

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações