Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

28

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

28

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 92 Número 3




Voltar ao sumário

 

Revisão

Peeling de tretinoína: uma visão crítica*

Tretinoin peel: a critical view*


Juliana Mayumi Sumita1; Gislaine Ricci Leonardi2; Ediléia Bagatin1

1. Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo (EPM - UNIFESP) – São Paulo (SP), Brasil
2. Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) – Campinas (SP), Brasil

Recebido em 02.11.2015
Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 28.02.2016
Suporte financeiro: Nenhum
Conflito de interesse: Nenhum
Como citar este artigo: Sumita JM, Bagatin E, Leonardi GR. Peeling de tretinoína: uma visão crítica. An Bras Dermatol. 2017;92(3):369-72.

Correspondência:

Juliana Mayumi Sumita
Rua Estado Israel, 192
Vila Clementino 04022-000 São Paulo, SP
E-mail: juliana.sumita@gmail.com

 

Resumo

O peeling de tretinoína, mais conhecido como peeling de ácido retinoico, é uma modalidade de peeling superficial realizada com muita frequência nos consultórios dermatológicos do Brasil. O primeiro estudo publicado a seu respeito foi em 2001, por Cucé et al., como opção de tratamento para melasma. Desde então, outros estudos relataram sua aplicabilidade com metodologia razoável, porém sem consenso e sem embasamento científico consistente. A tretinoína tópica é utilizada no tratamento de diversas dermatoses, como acne, melasma, cicatrizes, envelhecimento cutâneo e prevenção do câncer de pele não melanoma. A identificação dos receptores celulares para os retinoides aconteceu em 1987; no entanto, uma relação direta de causa-efeito ainda não foi bem estabelecida. Este artigo revisa estudos que avaliaram o uso da tretinoína tópica como agente para peeling superficial, mostrando benefícios no tratamento do melasma e do envelhecimento cutâneo. Metodologia de melhor qualidade no delineamento, indicação e intervenção é imprescindível no que diz respeito a concentração, veículo e regime de tratamento (intervalo e número de aplicações). Adicionalmente, são necessários mais estudos controlados, randomizados e comparativos entre o tratamento com tretinoína em creme versus o peeling de ácido retinoico, principalmente para melasma e fotoenvelhecimento.

Palavras-chave: Abrasão química; Ceratose actínica; Envelhecimento da pele; Melanose; Tretinoína

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações