Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

26

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

26

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 75 Número 6




Voltar ao sumário

 

Artigo de revisão

Detecção de anticorpos específicos para o antígeno glicolípide fenólico-1 do M. leprae (anti PGL-1IgM): aplicações e limitações

Detection of specific antibodies for the phenolic-1 glycolipid antigen of M. leprae (antiPGL-1IgM): applications and limitations


RAQUEL PATRIOTA COTA BARROS1, MARIA LEIDE WAND DEL REY DE OLIVEIRA2

1Professora Assistente, Disciplina de Dermatologia, Universidade Federal de Alagoas - UFAL. Doutoranda, Curso de Pós-graduação em Dermatologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ.
2Professora Adjunto, disciplina de Dermatologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ.

Recebido em 25.10.1999. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 16.10.2000. Trabalho realizado na Universidade Federal de Alagoas - UFAL e na Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ.

Correspondência:
Raquel Patriota Cota Bastos Rua Campos Teixeira, 470 Maceió AL 57030-370 Tel: (82) 231-5381 Fax: (82) 322-2494 "E-mail":raquelpatriota@uol.com.br

 

Resumo

A aplicação de testes para detecção de anti-PGL-1, no diagnóstico de infecção subclínica, acompanhamento terapêutico e detecção precoce de recidiva da hanseníase, ainda encontra limitações na correlação entre altos níveis de anticorpos com doença ativa, passada ou futura, de acordo com a revisão bibliográfica, ora apresentada. Além disso a alta sensibilidade se limita aos casos multibacilares (MB) e a especificidade é comprometida pela positividade em contatos sadios e também em não contatos de áreas endêmicas. Entretanto, a síntese química do determinante antigênico do PGL-1(resíduo trissacarídeo terminal) em quatro novos antígenos, a possibilidade de se utilizar sangue capilar em papel filtro e o mais recente teste Dipstick, todos com resultados similares ao teste de ELISA, tem facilitado sua aplicação, em estudos imunoepidemiológicos. Conclui-se que a sorologia tem papel complementar no monitoramento da eficácia terapêutica anti-hansênica e diagnóstico precoce da recidiva, além da utilidade da soroprevalência como um indicador da magnitude da endemia oculta e de transmissão recente da doença.

Palavras-chave: GLICOLIPÍDIOS, TERAPÊUTICA., DIAGNÓSTICO, HANSENÍASE

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações