Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 92 Número 4




Voltar ao sumário

 

Investigação

Impacto psicossocial da acne e hiperpigmentação pós-inflamatória*

Psychosocial impact of acne and postinflammatory hyperpigmentation*


Katlein França1,2,3; Jonette Keri2

1. Departamento de Dermatologia e Cirurgia Cutânea da University of Miami Miller School of Medicine – Miami (FL), Estados Unidos
2. Departamento de Psiquiatria e Ciências Comportamentais da University of Miami Miller School of Medicine – Miami (FL), Estados Unidos
3. Instituto de Bioética e Política de Saúde da University of Miami Miller School of Medicine – Miami (FL), EUA

Recebido em 30.01.2016
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 13.06.2016
Suporte Financeiro: Nenhum.
Conflito de Interesses: Nenhum.
Como citar este artigo: França K, Keri J. Impacto psicossocial da acne e hiperpigmentação pós-inflamatória. An Bras Dermatol.. 2017; 92 (4): 506-10

Correspondência:

Katlein França
1400 NW 10th Avenue
Miami, Florida 33136, United States
Email: k.franca@med.miami.edu

 

Resumo

FUNDAMENTOS: a acne é uma das doenças mais comuns da pele, que afeta a autoimagem e tem impacto negativo na qualidade de vida. A hiperpigmentação pós-inflamatória é uma hipermelanose adquirida que ocorre após uma lesão na pele ou inflamação cutânea. É comum em pacientes com sequelas de acne.
OBJETIVOS: este estudo tem como objetivo investigar o impacto psicossocial da acne e hiperpigmentação pós-inflamatória entre os pacientes atendidos em um ambulatório de Dermatologia no Hospital da Universidade de Miami.
MÉTODOS: o estudo contou com a participação de 50 pacientes com acne e hiperpigmentação pós-inflamatória. Todos os participantes, voluntariamente, preencheram um questionário anônimo contendo informações sociodemográficas, perguntas sobre as atitudes do paciente em relação à hiperpigmentação pós-inflamatória causada pela acne, e as escalas Cardiff Acne Disability Index e Dermatology Life Quality Index.
RESULTADOS: a localização predominante de hiperpigmentação pós-inflamatória foi a face. Pacientes reportaram o uso de maquiagem para esconder as imperfeições bem como relataram sentirem-se envergonhados devido à sua condição. Curiosamente, a maioria dos pacientes não teve sua qualidade de vida afetada pela acne e hiperpigmentação pós-inflamatória.
LIMITAÇÕES DO ESTUDO: a limitação do estudo encontra-se no pequeno tamanho da amostra. Por essa razão, os resultados não podem ser generalizados para a comunidade.
CONCLUSÃO: a literatura médica atual tem muitos estudos que analisam o impacto psicológico da acne. Este estudo é o primeiro na literatura que analisou o impacto psicossocial da acne juntamente com a hiperpigmentação pós-inflamatória causada por ela.

Palavras-chave: Apoio social; Hiperpigmentação; Impacto psicossocial; Psicologia

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações