Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 92 Número 4




Voltar ao sumário

 

Dermatopatologia

O fenômeno do nevo recorrente*

The recurrent nevus phenomenon*


Rafaella Daboit Castagna; Juliana Mazzoleni Stramari; Raíssa Massaia Londero Chemello

Departamento de Clínica Médica da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) – Santa Maria (RS), Brasil

Recebido em 22.06.2016
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 12.09.2016
Suporte Financeiro: Nenhum.
Conflito de Interesses: Nenhum.
Como citar este artigo: Castagna RD, Stramari JM, Chemello RML. O fenômeno do nevo recorrente. An Bras Dermatol. 2017;92(4):532-4

Correspondência:

Rafaella Daboit Castagna
Serviço de Dermatologia
Hospital Universitário de Santa Maria
Av. Roraima, 1.000, Prédio 22 Camobi
97105-900 Santa Maria, RS – Brazil
E-mail: lellacastagna@hotmail.com

 

Resumo

Nevo melanocítico recorrente é proliferação de melanócitos originada em nevo melanocítico removido parcialmente. Assimetria e pigmentação irregular levam à confusão diagnóstica com melanoma. A paciente relatava lesão no abdome inferior removida por shaving. O exame anatomopatológico revelou nevo melanocítico intradérmico. Dois meses depois, observou-se nova lesão hiperpigmentada e irregular sobre a cicatriz. O histopatológico da biópsia excisional foi compatível com nevo melanocítico recorrente. O nevo melanocítico recorrente manifesta-se como área de cicatriz com hiper/hipopigmentação, estrias lineares, halo pontilhado e/ou padrão de pigmentação difusa. Histologicamente, a junção dermoepidérmica e a derme superficial demonstram proliferação melanocítica sobrejacente à cicatriz. Se não há laudo anatomopatológico da lesão inicial, a excisão completa é o padrão ouro. Caso contrário, o acompanhamento dermatoscópico regular é opção terapêutica. Neste caso, ressalta-se a importancia da análise histopatológica de material excisado, mesmo na suspeita de lesão benigna, e da informação ao paciente sobre a possível recorrência de lesões não removidas completamente.

Palavras-chave: Histologia; Nevo; Procedimentos cirúrgicos ambulatórios

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações