Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 92 Número 4




Voltar ao sumário

 

Síndrome em Questão

Você conhece esta síndrome?*

Do you know this syndrome? Heerfordt-Waldenström syndrome*


Rafael Cavanellas Fraga1; Priscila Kakizaki2; Neusa Yuriko Sakai Valente2; Larissa Karine Leite Portocarrero2; Mônica Fernandes Senise Teixeira2; Priscilla Fernandes Senise3

1. Clínica privada – Vitória (ES), Brasil
2. Serviço de Dermatologia do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo – São Paulo (SP), Brasil
3. Clínica privada – Jundiaí (SP), Brasil

Recebido em 30.09.2015
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 28.07.2016
Suporte Financeiro: Nenhum..
Conflito de Interesses: Nenhum.
Como citar este artigo: Fraga RC, Kakizaki P, Valente NYS, Portocarrero LKL, Teixeira MFS, Senise PF. Você conhece esta síndrome? Síndrome de Heerfordt-Waldenström. An Bras Dermatol. 2017;92(4):573-4

Correspondência:

Larissa Karine Leite Portocarrero
Av. Ibirapuera, 981 Indianópolis
04028-000 - São Paulo, SP, Brazil
E-mail: larissakleite@hotmail.com

 

Resumo

A síndrome de Heerfordt-Waldenström é uma variante subaguda rara da sarcoidose, caracterizada por aumento das glândulas parótidas ou salivares, paralisia do nervo facial e uveíte anterior. No anatomopatológico dos órgãos afetados, há granulomas com escassez de linfócitos na periferia. Geralmente é autolimitada, com cura em 12 a 36 meses, sendo poucos os casos mais prolongados. O diagnóstico da síndrome é clínico, e o tratamento depende da gravidade do acometimento sistêmico. Os corticosteroides orais são a primeira opção. A taxa de mortalidade varia entre 1% e 5% dos casos.

Palavras-chave: Febre uveoparotídea; Glândula parótida; Paralisia facial; Sarcoidose; Uveíte

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações