Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 92 Número 4




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Perfil da hanseníase em menores de 15 anos acompanhados em centro de referência brasileiro (2004-2012)*

Profile of leprosy in children under 15 years of age monitored in a Brazilian referral center (2004-2012)*


Ana Cecília Versiani Duarte Pinto1; Patrick Alexander Wachholz2; Gardenia Viana da Silva1; Paula Yoshiko Masuda1

1. Departamento de Dermatologia do Instituto Lauro de Souza Lima (ILSL) – Bauru (SP), Brasil
2. Departamento de Saúde Pública da Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual Paulista"Júlio de Mesquita Filho" (UNESP) – Botucatu (SP), Brasil

Recebido em 06.02.2016
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 29.05.2016
Suporte Financeiro: Nenhum.
Conflito de Interesses: Nenhum.
Como citar este artigo: Pinto ACVD, Wachholz PA, Silva GV, Masuda PY. Perfil da hanseníase em menores de 15 anos acompanhados em um centro de referência brasileiro (2004-2012). An Bras Dermatol. 2017;92(4):583-5

Correspondência:

Patrick Alexander Wachholz
Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros, km 225/226
17034-971 - Bauru, SP - Brazil
E-mail: p_wachholz@hotmail.com

 

Resumo

A hanseníase em menores de 15 anos é um grave problema de saúde pública. Nesta série retrospectiva de casos, realizada em centro de referência brasileiro (2004-2012), foram encontrados 18 casos, com média etária de 10,0±3,6 anos, e 16,6% deles entre 0-5 anos. Quase 56% dos casos eram meninas, com mediana de tempo entre os primeiros sintomas e o diagnóstico de 11 meses (4-24); 77,8% relataram contato domiciliar com hansênicos. Na admissão, 66,7% apresentavam sintomas de predomínio cutâneo e 27,8% apresentavam incapacidades grau 2. A maioria foi classificada como multibacilar (66,7%). A metade da amostra desenvolveu reação (predominantemente tipo 1) durante o período de seguimento e 22,2% evoluíram com incapacidade tardia.

Palavras-chave: Criança; Estudos de casos; Hanseníase

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações