Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 76 Número 1




Voltar ao sumário

 

Investigação

Estudo aberto com pentoxifilina em pacientes com psoríase

Open label study with pentoxifylline in patients with psoriasis


ANA CLÁUDIA MILANEZ RIGONI1, SUELI COELHO DA SILVA CARNEIRO2

1Pós-Graduando (PG2) em Dermatologia, Serviço / Disciplina de Dermatologia, Hospital Universitário Pedro Ernesto, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.
2Professora Adjunta de Dermatologia, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Mestre em Reumatologia- UFRJ. Membro Titular, Academia Brasileira de Reumatologia.

Recebido em 4.4.2000. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 12.01.2001. Trabalho realizado no Serviço de Dermatologia, Hospital Universitário Pedro Ernesto, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Correspondência:
Sueli Coelho da Silva Carneiro Rua Farme de Amoedo, 140 / 601 Rio de Janeiro RJ 22420-020 Tel: (21) 522-2156 Fax: (21) 587-6426 "E-mail":scsc@uerj.br

 

Resumo

*Fundamentos:* A psoríase (Ps) é doença eritêmato-escamosa de evolução crônica, resultante da velocidade aumentada do ciclo evolutivo dos queratinócitos. Muitos tratamentos têm sido utilizados nas últimas décadas. Como acontece com todas as doenças de causa desconhecida, há sempre novas drogas sendo testadas.1,2 *Objetivo:* Avaliar prospectivamente o efeito terapêutico da pentoxifilina na dose de 1200mg/d em três doses diárias durante dois meses em 22 pacientes de psoríase, com ou sem artropatia. *Material e Método:* Foram avaliados 22 pacientes ambulatoriais de psoríase discreta a moderada – 12 homens e 10 mulheres, com idade média de 41,5 anos e duração da doença variando de um a 20 anos –, dos quais dois tinham psoríase artropática. A avaliação clínica foi feita de acordo com um protocolo, e a resposta terapêutica, avaliada pelos escores obtidos no index de área e gravidade da psoríase (Pasi) nos dias 0, 30 e 60. Os exames laboratoriais incluíram hemograma, VHS e bioquímica. Permitiu-se apenas uso de emolientes tópicos e analgésicos. *Resultados:* Dos 22 pacientes iniciais, 18 completaram o estudo, e quatro o abandonaram. Dos que abandonaram, dois concluíram o primeiro mês e foram incluídos nos resultados. O Pasi inicial ficou entre 8,4 e 38,2, e o final, entre 0 e 25. A resposta terapêutica foi observada entre o décimo quinto e o trigésimo dias. Doze pacientes tiveram resposta considerada entre ótima e boa com regressão do Pasi variando de 50 a 100%. *Conclusão:* A análise deste trabalho mostrou resposta terapêutica entre boa e ótima em 60% dos pacientes, mas novos estudos controlados devem ser levados a termo.

Palavras-chave: PSORÍASE., ARTRITE PSORIÁSICA, PENTOXIFILINA

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações