Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 92 Número 5




Voltar ao sumário

 

Relato de Caso

Cútis laxa granulomatosa: subtipo raro de micose fungoide*

Granulomatous slack skin: a rare subtype of mycosis fungoides*


Letícia Marra da Motta1; Cleverson Teixeira Soares2; Sadamitsu Nakandakari1; Gardênia Viana da Silva1; Maria Helena Mazzi Freire Nigro1; Leticia Stella Gardini Brandão1

1. Ambulatório Geral de Dermatologia do Instituto Lauro de Souza Lima (ILSL) – Bauru (SP), Brasil
2. Serviço de Patologia do Instituto Lauro de Souza Lima (ILSL) – Bauru (SP), Brasil

Recebido em 02.09.2015
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 10.03.2016
Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum
Como citar este artigo: Motta LM, Soares CT, Nakandakari S, Silva GV, Nigro MH, Brandão LG. Cútis laxa granulomatosa: subtipo raro de micose fungoide. An Bras Dermatol. 2017;92(5):696-9.

Correspondência:

Letícia Marra da Motta
SQN 402 bloco T – Apto. 208 Asa Norte
70834-200 Brasília, DF – Brasil
E-mail: draleticiamotta@gmail.com

 

Resumo

A cútis laxa granulomatosa é um subtipo raro e indolente de micose fungoide. Acomete predominantemente homens entre terceira e quarta décadas. Caracteriza-se por placas enduradas e eritematosas, principalmente em flexuras, que, após vários anos, tornam-se pedunculadas. A histologia evidencia denso infiltrado de linfócitos pequenos, atípicos, envolvendo derme e, por vezes, tecido subcutâneo, associado a histiócitos e células gigantes multinucleadas contendo linfócitos e fibras elásticas (linfofagocitose e elastofagocitose, respectivamente). Os pacientes portadores dessa entidade podem desenvolver linfomas secundários. Existem diversas modalidades terapêuticas descritas, porém ainda pouco efetivas. É relatado um caso dessa manifestação. Apesar de indolente, o seu reconhecimento precoce e a monitorização contínua pelo dermatologista tornam-se essencial para seu manejo e prevenção de um desfecho desfavorável.

Palavras-chave: Linfoma cutâneo de células T; Micose fungoide; Transtornos linfoproliferativos

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações