Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

36

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

36

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 92 Número 5 S1




Voltar ao sumário

 

Relato de Caso

Nevo azul com satelitose: relato de caso e revisão da literatura*

Blue nevus with satellitosis: case report and literature review*


Ana Helena Kalies Oliveira1; Ana Flávia de Melo Cavalcanti Shiraishi3; Bogdana Victoria Kadunc2; Patrícia de Carvalho Sotero2; Rafael Fantelli Stelini4; Cínthia Mendes5

1. Programa de Pós-graduação em Dermatologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) – Campinas (SP), Brasil
2. Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas) – Campinas (SP), Brasil
3. Ambulatório de Dermatoscopia do Serviço de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas) – Campinas (SP), Brasil
4. Departamento de Anatomia Patológica do Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) – Campinas (SP), Brasil
5. Clínica privada – Tubarão (SC), Brasil

Trabalho submetido em 20.10.2015
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 22.10.2016
Suporte Financeiro: Nenhum.
Conflito de Interesses: Nenhum.
Como citar este artigo: Oliveira AHK, Sotero PC, Shiraishi AFMC, Stelini RF, Kadunc BV, Mendes C. Nevo azul com satelitose: relato de caso e revisão da literatura. An Bras Dermatol. 2017;92(5 Supl 1):98-101.

Correspondência:

Ana Helena Kalies Oliveira
Av. John Boyd Dunlop, S/N Jardim Londres
13034-685 - Campinas, SP Brasil
E-mail: ahkalies@gmail.com

 

Resumo

O nevo azul é caracterizado como lesão melanocítica benigna, tipicamente assintomática e de etiologia desconhecida. São reconhecidos diversos subtipos histológicos; os mais frequentes são o nevo azul comum, o nevo azul celular e o nevo azul combinado. Novas variantes raras têm sido descritas na literatura, com destaque para os nevos azuis eruptivo, em placa, agminado, linear, com satelitose, disseminado, familiar e em alvo. Habitualmente, o diagnóstico de nevo azul não apresenta dificuldades, no entanto a presença de algumas estruturas, como bordas irregulares ou satelitoses, é altamente sugestiva de lesão maligna, e o diagnóstico diferencial com nevo azul maligno e melanoma com disseminação periférica deve ser considerado. Relata-se um caso de nevo azul com satelitose em paciente de 15 anos do sexo feminino.

Palavras-chave: Dermoscopia; Diagnóstico diferencial; Melanoma; Nevo azul; Satélite

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações