Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 67 Número 6




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Pulsoterapia em buloses – Relato de nove casos

Pulsetherapy in bullous disorders - Report of nine cases


ALEXANDRE CARLOS GRIPP1, NILZA VIANA LUGON2, RENATA WROBEL2, MARCIA ALVIM BRITO2, SANDRA FRANCO DE ASSIS2, ANA MÁRCIA MESQUITA CAMPELLO3, CLAUDIA TANNOUZ PUPPIN3, SANDRA MORITZ3, LENINHA VALÉRIO DO NASCIMENTO4

1Professor Assistente da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ
2Especialista em Dermatologia pela SBD
3Especializanda e Residente do Serviço de Dermatologia e Sifilografia do Hospital Universitário Pedro Ernesto - UERJ
4Professora Adjunta da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Trabalho realizado no Serviço de Dermatologia e Sifilografia do Hospital Universitário Pedro Ernesto - UERJ.

Correspondência:
Hospital Universitário Pedro Ernesto - UERJ Av. 28 de Setembro, 87 - 2º andar 20551-030 - Rio de Janeiro - RJ

 

Resumo

Os AA relatam os resultados obtidos com o uso intravenoso de doses suprafarmacológicas do succinato sódico de metilprednisolona (1g/dia por três dias consecutivos) em nove pacientes com buloses: pênfigo vulgar - quatro casos; pênfigo foliáceo - quatro casos e penfigóide gestacional - um caso. À exceção de cinco pacientes virgens de tratamento, todos os demais apresentavam resistência ao tratamento oral com doses elevadas de corticosteróides ou alguma restrição ao seu uso prolongado. A pulsoterapia produziu remissão completa das lesões sem observação de efeitos colaterais graves. O tratamento subsequente consistiu do uso oral, de doses baixas de prednisona, isoladamente ou em associação à azatioprina, ciclofosfamida, talidomida, ouro ou sulfona. Durante o seguimento ambulatorial que variou de seis a 16 meses, foram registrados um abandono e duas recidivas.

Palavras-chave: DERMATOSES BOLHOSAS, IMUNOSSUPRESSORES, PULSOTERAPIA

© 2019 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações