Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

2

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

2

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 92 Número 6




Voltar ao sumário

 

Relato de Caso

Doença de Morbihan: um desafio terapêutico*

Morbihan disease: a therapeutic challenge*


Fernanda Cabral1; Lara Caroline Lubbe1; Monisa Martins Nóbrega1; Daniel Lago Obadia1,2; Roberto Souto1; Alexandre Carlos Gripp1

1. Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário Pedro Ernesto, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (HUPE-UERJ) – Rio de Janeiro (RJ), Brasil
2. Serviço de Dermatopatologia do Hospital Universitário Pedro Ernesto, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (HUPE-UERJ) – Rio de Janeiro (RJ), Brasil

Trabalho submetido em 21.02.2015
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 10.06.2015
Suporte Financeiro: Nenhum.
Conflito de Interesses: Nenhum.
Como citar este artigo: Cabral F, Lubbe LC, Nóbrega MM, Obadia DL, Silva R, Gripp AC. Doença de Morbihan: um desafio terapêutico. An Bras Dermatol. 2017;92(6): 853-5.

Correspondência:

Alexandre Carlos Gripp
Boulevard 28 de Setembro, 77
Vila Isabel Rio de Janeiro, RJ – Brasil
E-mail: alexandregripp@yahoo.com.br

 

Resumo

A doença de Morbihan é uma condição rara que se caracteriza por pelo quadro crônico e persistente de eritema e edema firme da face. Acredita-se que seja complicação da rosácea e possa ocorrer em qualquer estágio da doença. São características dessa condição a resposta terapêutica variável e o alto índice de refratariedade. É relatado o caso de um homem de 61 anos com história de rosácea e diagnóstico de doença de Morbihan, apresentando excelente resposta terapêutica com a associação de deflazacorte e isotretinoína oral, mas com recidiva após a suspensão do corticosteroide. Sugere-se que, em casos graves de linfedema da face, essa associação seja eficaz e a suspensão do corticosteroide programada para ocorrer de forma lenta e gradual.

Palavras-chave: Glicocorticoides; Isotretinoína; Linfedema; Rosácea

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações