Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

1

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

1

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 93 Número 2




Voltar ao sumário

 

Revisão

Imunidade inata e mecanismos efetores e reguladores envolvidos na dermatite de contato alérgica*

Innate immunity and effector and regulatory mechanisms involved in allergic contact dermatitis*


Marilene Chaves Silvestre1; Maria Notomi Sato2; Vitor Manoel Silva dos Reis3

1. Departamento de Medicina Tropical e Dermatologia, Serviço de Dermatologia, Universidade Federal de Goiás (UFG) – Goiânia (GO), Brasil
2. Departamento de Dermatologia, Laboratório de Investigação Médica (LIM 56), Instituto de Medicina Tropical, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) – São Paulo (SP), Brasil
3. Departamento de Dermatologia, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) – São Paulo (SP), Brasil

Trabalho submetido em 03.08.2016
Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 09.01.2017
Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum
Como citar este artigo: Silvestre MC, Sato MN, Reis VMS. Innate immunity and effector and regulatory mechanisms involved in allergic contact dermatitis. An Bras Dermatol. 2018;93(2):242-50.

Correspondência:

Marilene Chaves Silvestre
Email: marilene.silvestre@terra.com.br

 

Resumo

A imunidade inata cutânea consiste na ativação dos mecanismos iniciais da resposta imune, influenciando no desenvolvimento da imunidade adaptativa. Alguns alérgenos de contato são detectados por receptores Toll-like e inflamassomas NLR3, capazes de induzir a produção de citocinas pró-inflamatórias. Participam na imunidade inata os queratinócitos que, além de barreira anatômica, secretam citocinas, como TNF, IL-1β e IL-18, atuando no desenvolvimento da Dermatite de Contato Alérgica, as células dendríticas, que fazem o reconhecimento e o processamento dos antígenos às células T, os neutrófilos, que provocam reações pró-inflamatórias, os mastócitos, que induzem a migração/maturação das DCs cutâneas, as células natural killer, que possuem capacidade citotóxica natural, as células T γδ, que favorecem o contato com o hapteno durante a fase de sensibilização, e as células linfoides inatas, que atuam nos eventos iniciais da Dermatite de Contato Alérgica por secretarem citocinas e atuarem na inflamação e homeostasia dos tecidos. A inflamação específica ao antígeno é mediada pelas células T, e cada subtipo (Th1/Tc1, Th2/Tc2 e Th17/Tc17) ativa as células residentes da pele que secretam citocinas, contribuindo na inflamação. As células T reguladoras da pele possuem uma forte capacidade de inibir a proliferação das células T específicas ao antígeno e atuam no término da reação da Dermatite de Contato Alérgica e no controle das respostas imunes sistêmicas. Nesta revisão, relatamos como a imunidade inata cutânea constitui a primeira linha de defesa e o seu papel na ativação da resposta imune adaptativa, com indução da resposta efetora e sua regulação.

Palavras-chave: Alergia e imunologia; Dermatite alérgica de contato; Dermatite de contato

© 2019 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações