Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 76 Número 3




Voltar ao sumário

 

Investigação

Granuloma piogênico em pacientes HIV+ tratados com indinavir

Pyogenic granuloma in HIV+ patients during indinavir therapy


ANA PAULA GALLI SANCHEZ CRIVELLARO1, TEREZA ARRAIS2

1Médica Dermatologista.
2Médica Infectologista.

Recebido em 08.05.2000. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 28.02.2001. Trabalho realizado no Centro de Referência e Treinamento em DST/AIDS de São Paulo - SP.

Correspondência:
Ana Paula Galli Sanchez Crivellaro Rua José Vicente de Azevedo, 348 / 123 São Paulo SP 04139-030 Tel / Fax: (11) 5594-2678

 

Resumo

*FUNDAMENTOS* - O indinavir é um inibidor da protease do vírus da imunodeficiência humana ( HIV), largamente empregado no tratamento da síndrome de imunodeficiência adquirida (Aids). Em 1998, Buscart et al. descreveram 42 casos de paroníquia e granuloma piogênico no hálux de pacientes HIV+ tratados com indinavir. *OBJETIVOS* - Descrever 18 casos de granuloma piogênico em pacientes portadores da Aids durante o uso de terapêutica anti-retroviral com indinavir (IDV) e discutir os prováveis mecanismos pelos quais o IDV pode induzir a formação de tecido de granulação periungueal nos pacientes. *MATERIAL E MÉTODOS* - Foram avaliados 18 pacientes no período de julho de 1998 a abril de 1999 - 14 homens e quatro mulheres, com idade variando de 26 a 51 anos (média = 37,5 anos). Todos apresentavam granuloma piogênico e paroníquia no hálux e estavam em uso de terapia anti-retroviral tripla com IDV. Foram submetidos à cauterização química semanal das lesões com ácido tricloroacético (ATA) a 90%. *RESULTADOS* - O tempo médio entre o início da terapia com indinavir e o aparecimento dos sintomas foi de 8,3 meses, variando de dois a 23 meses.Todos os pacientes submetidos à cauterização química semanal das lesões com ATA a 90%, evoluíram com diminuição progressiva dos granulomas piogênicos. *CONCLUSÃO* - A protease do HIV é estruturalmente semelhante à proteína citoplasmática carreadora do ácido retinóico (CRABP).A inibição da CRAPB pelo IDV, poderia levar a exarcebação das funções do retinol ao nível do epitélio da matriz ungueal e da derme, justificando o aparecimento de tecido de granulação periungueal nos pacientes que usam o IDV.

Palavras-chave: INDINAVIR., GRANULOMA PIOGÊNICO

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações