Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

5

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

5

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 76 Número 3




Voltar ao sumário

 

Investigação

Hidrocistoma écrino e apócrino na pálpebra – Casuística na Faculdade de Medicina de Botucatu - São Paulo

Eyelid eccrine and apocrine hidrocystoma – Occurrence at the “Faculdade de Medicina de Botucatu - São Paulo


SILVANA A. SCHELLINI1, ALEXANDRE PAASHAUS DA COSTA PINTO2, CHRISTOPHER NEVES DE CASTILHO2, ALEXANDRE B. ACHILLES2, CARLOS ROBERTO PADOVANI3, MARIANGELA ESTHER ALENCAR MARQUES4

1Professora Livre-docente, Departamento de Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço.
2Residente de Oftalmologia.
3Professor Titular, Departamento de Bioestatística.
4Professor Assistente; Doutor, Departamento de Patologia.

Recebido em 16.8.1999. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 28.02.2001. Trabalho realizado na Faculdade de Medicina de Botucatu – UNESP, Botucatu - SP.

Correspondência:
Silvana Artioli Schellini Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP Dep. OFT/ORL/CCP Botucatu SP 18618-000 "E-mail":btrcs@zaz.com.br

 

Resumo

*FUNDAMENTOS* - Os hidrocistomas são relativamente freqüente nas pálpebras. *OBJETIVO* - Observar a ocorrência do hidrocistoma écrino e apócrino de localização palpebral, bem como a relação entre os diagnósticos clínico e histopatológico. *CASUÍSTICA E MÉTODO* - Quarenta e dois pacientes, apresentando 52 lesões, atendidos no período de janeiro de 1990 a abril de 1999, no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu - SP, com diagnóstico histopatológico confirmado de hidrocistoma, foram avaliados quanto às variáveis sexo, idade, localização da lesão, tempo decorrido entre o aparecimento da lesão e o diagnóstico clínico, número de lesões e relação entre diagnósticos clínico e histopatológico. *RESULTADO* - O hidrocistoma em suas duas formas foi responsável por 0,07% das lesões removidas e examinadas histopatologicamente nesse serviço. Tanto o hidrocistoma apócrino como o écrino foram mais comuns em mulheres com idade superior a 40 anos. A maioria das lesões apresentava tempo de evolução variando entre um e cinco anos, estavam localizadas principalmente na pálpebra inferior, ocorrendo como lesão única. Os diagnósticos clínico e anatomopatológico foram concordantes em 67,31% dos hidrocistomas apócrinos e 9,62% dos écrinos. *CONCLUSÃO* - O hidrocistoma palpebral mais freqüente foi o apócrino (82,69%), para o qual a concordância entre os diagnósticos clínico e histopatológico foi alta.

Palavras-chave: HIDROCISTOMA APÓCRINO, HIDROCISTOMA ÉCRINO, CISTO DE MOLL, LESÃO PALPEBRAL BENIGNA.

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações