Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

14

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

14

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 93 Número 3




Voltar ao sumário

 

Qual é seu diagnóstico ?

Caso para diagnóstico. Eritrodermia com polineuropatia*

Case for diagnosis. Erythroderma as manifestation of hypereosinophilic syndrome*


Maira Renata Merlotto1; Lucas Oliveira Cantadori2; Delmo Sakabe3; Hélio Amante Miot1

1. Departamento de Dermatologia, Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista (FMB-Unesp), Botucatu (SP), Brasil
2. Disciplina de Hematologia, Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Botucatu, Universidade Estadual Paulista (FMB-Unesp), Botucatu (SP), Brasil
3. Departamento de Cirurgia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-Sorocaba), Sorocaba (SP), Brasil.

Recebido 10 Julho 2017.
Aceito 07 Dezembro 2017.
Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum
Como citar este artigo: Merlotto MR, Cantadori LO, Sakabe D, Miot HA. Case for diagnosis. Erythroderma as manifestation of hypereosinophilic syndrome. An Bras Dermatol. 2018;93(3):451-3.

Correspondência:

Hélio Amante Miot
E-mail: heliomiot@fmb.unesp.br

 

Resumo

Síndrome hipereosinofílica é definida por eosinofilia persistente (> 1500/µL por mais de seis meses) associada ao envolvimento de órgãos, excluindo-se causas secundárias. É doença rara, potencialmente letal, que deve ser considerada em quadros cutâneos associados à hipereosinofilia. Descreve-se um caso de eritrodermia como manifestação de síndrome hipereosinofílica. Homem, 36 anos, sem comorbidades, apresenta eritrodermia, prurido, neuropatia periférica e eosinofilia progressivos há sete meses. Não foram evidenciadas mutações FIP1L1 e PDGFRA. Houve rápida remissão após prednisona oral e hidroxiureia. As manifestações cutâneas da síndrome hipereosinofílica podem ser a única evidência da doença. A genotipagem exclui doença mieloproliferativa, orientando o tratamento e o prognóstico.

Palavras-chave: Dermatite esfoliativa; Eosinofilia; Polineuropatias

© 2019 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações