Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 76 Número 2




Voltar ao sumário

 

Investigação

Tinea capitis por Trichophyton tonsurans em crianças: papel dos portadores assintomáticos

Tinea capitis caused by Trichophyton tonsurans in infants: role of asymptomatic carriers


FRANCISCO HELDER CAVALCANTE SOUSA1, NURIMAR CONCEIÇÃO FERNANDES2

1Dermatologista; Pesquisador em Micologia. Gerência de Dermatologia Tropical, IMT-AM.
2Professora-Adjunto de Dermatologia, Faculdade de Medicina, UFRJ; Serviço de Dermatologia, Hospital Universitário Clementino Fraga Filho.

Recebido em 24.4.2000. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 13.02.2001. * Trabalho realizado no Instituto de Medicina Tropical do Amazonas.

Correspondência:
Francisco Helder Cavalcante Rua Adelson Veras, 3000 / 403 - Cond. Saint Honore Manaus AM 69055-720 Tel: (92) 642-6666 Fax: (92) 236-1965 "E-mail":helder@prodamnet.com.br

 

Resumo

*Fundamentos:* Tinea capitis é infecção causada por dermatófitos dos gêneros Microsporum e Trichophyton, de ocorrência predominante na infância e rara após a adolescência. Quando determinada pelo Trichophyton tonsurans, espécie antropofílica, a transmissão se faz de pessoa a pessoa, por meio de objetos de uso pessoal, como pentes, escovas de cabelos e travesseiros. Tem sido demonstrado que adultos coabitantes domiciliares com crianças com tinea capitis albergam o T.tonsurans, sem apresentar lesões, sendo, portanto, portadores assintomáticos. *Objetivo:* Identificar portadores assintomáticos entre adultos coabitantes domiciliares com crianças com tinea capitis por T. tonsurans. *Materiais e Métodos:* No período de maio de 1995 a janeiro de 1997, no Instituto de Medicina Tropical do Amazonas, em Manaus, foram estudadas 105 crianças, de ambos os sexos, com idade limite de 12 anos, hígidas, com diagnósticos clínico e micológico de tinea capitis por T. tonsurans. Cento e vinte e dois adultos coabitantes domiciliares dessas crianças, sem quadro clínico de tinea capitis, foram submetidos a exame micológico do couro cabeludo. *Resultados:* Foram observados 62 casos de tinea capitis (59%) na faixa etária de seis a 12 anos e predomínio do sexo feminino: 70 casos (66,6%) (p<0,05). A descamação ocorreu em 102 casos (97,1%); a tonsura, em 98 casos (93,3%); e o black dot, em 73 casos (69,5%). O exame micológico direto foi positivo em 92 crianças (87,6%) e em três adultos coabitantes (18,8%); 16 adultos coabitantes domiciliares (13,1%) apresentaram culturas positivas para T. tonsurans, confirmando-se, assim, o estado de portador assintomático; deles, 14 (11,5%) eram do sexo feminino (p<0,05). *Conclusões:* Adultos coabitantes domiciliares com crianças com tinea capitis por T. tonsurans podem ser portadores assintomáticos; a cultura é fundamental para a definição do estado de portador.

Palavras-chave: DERMATOMICOSE, PORTADOR, TINHA DO COURO CABELUDO, TRANSMISSÃO DE DOENÇA

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações