Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 82 Número 1




Voltar ao sumário

 

Síndrome em Questão

Você conhece esta síndrome?

Do you know this syndrome?


LUCIANA BAPTISTA PEREIRA1, RODRIGO SANTIAGO GÓMEZ2, CLÁUDIA MÁRCIA DE RESENDE SILVA3, WANDILZA FÁTIMA DOS SANTOS3

1Professora Assistente Dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais – Minas Gerais (MG), Brasil.
2Neurologista Clínico do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais – Minas Gerais (MG), Brasil.
3Médica do Ambulatório de Dermatologia Pediátrica do Serviço de Dermatologia do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais – Minas Gerais (MG), Brasil.

Recebido em 28.07.2006. Aprovado pelo Conselho Editorial e aceito para publicação em 28.07.2006. Trabalho realizado no Serviço de Dermatologia do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais - Minas Gerais (MG), Brasil. Conflito de interesse declarado: nenhum. _Como citar este artigo:_ Pereira LB, Gómez RS, Silva CMR, Santos WF. Você conhece esta síndrome? Síndrome de Parry-Romberg. An Bras Dermatol. 2007;82(1):90-3.

Correspondência:
Luciana Baptista Pereira Rua Domingos Vieira, 300 /sala 505 Santa Efigênia Belo Horizonte 30150 240 Minas Gerais Telefones: (31)3241-2279 / 3241-1185 Fax: (31)3241-6691 "E-mail":lucianabpereira@terra.com.br

 

Resumo

Trata-se de criança de oito anos, portadora de atrofia na hemiface direita, desde os seis anos. A ressonância magnética do encéfalo evidenciou espessamento cortical e formação de cistos. A hemiatrofia facial progressiva, ou síndrome de Parry-Romberg, mais freqüente nas duas primeiras décadas de vida, caracteriza-se por atrofia unilateral da face, acometendo área inervada por um ou mais ramos do trigêmeo. A relação dessa síndrome com a esclerodermia localizada é discutida.

Palavras-chave: ESCLERODERMIA LOCALIZADA, HEMIATROFIA FACIAL, SISTEMA NERVOSO CENTRAL

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações