Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 68 Número 1




Voltar ao sumário

 

Comunicação

O papel da proteína S-100 no diagnóstico imunohistoquímico da forma tuberculóide da hanseníase

The role of S-100 protein in imunohistochemical diagnosis of tuberculoid form of hanseniasis


EVANDRO SOBROZA DE MELLO1, IVANIR SPEZIA MELO2

1Estagiário do Departamento de Patologia da UFSM. Bolsita de Iniciação Científica do CNPq/UFSM atualmente Residente em Patologia no Hospital de Clínicas de Porto Alegre RS
2Professora Adjunta do Departamento de Patologia da UFSM. Orientadora de Bolsa de IC/CNPq/UFSM

*Trabalho realizado no Departamento de Patologia da Universidade Federal de Santa Maria, RS. UFSM.*

Correspondência:
Ivanir S. Melo Departamento de Patologia Universidade Federal de Santa Maria 97119 - Santa Maria - RS

 

Resumo

O diagnóstico da hanseníase baseia-se na descoberta do bacilo nas formas virchowianas e na demonstração de lesões em nervos periféricos nas formas tuberculóide e borderline. À medida que o nervo se torna progressivamente destruído dentro da ração granulomatosa e muito difícil identificá-lo. Na expectativa de tornar mais facilmente reconhecíveis os casos da forma tuberculóide de hanseníase (MHT) 11 casos dessa forma da doença foram examinados para evidenciar envolvimento nervoso, usando uma técnica imuno-histoquímica (IMH) para detectar a proteína S-100. Assim, foi possível detectar fragmentos de nervos em três casos e estabelecer o diagnóstico em um total de cinco casos. Em cinco outros casos não foi possível a detecção de fragmentos de nervos em nenhum local da biópsia, mesmo com o uso da IMH. Como a ausência de nervos em uma lesão e uma das características da MHT esse achado foi interpretado como uma evidência indireta do diagnóstico. Concorda-se que a IMH possa ser um instrumento valioso no reconhecimento de a1guns casos de MHT.

Palavras-chave: PROTEÍNA S-100, IMUNOHISTOQUÍMICA, HANSENÍASE.

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações