Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 76 Número 5




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Síndrome dos anticorpos antifosfolipídeos

Antiphospholipid antibody sindrome


FABIANE ANDRADE MULINARI BRENNER1, ANA SÍLVIA DAL PIZZOL1, PAULO CESAR PEREIRA THOMAZ1, JESUS RODRIGUEZ SANTAMARIA2, JAIR JOSÉ GEMELLI3

1Residentes do Serviço de Dermatologia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná
2Professor-Assistente do Departamento de Clínica Médica, Disciplina de Dermatologia, Universidade Federal do Paraná
3Acadêmico do Curso de Medicina da Universidade Federal do Paraná

Recebido em 04.01.1999. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 23.05.2001. * Trabalho realizado no Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Paraná

Correspondência:
Fabiane Andrade Mulinari-Brenner Rua Chichorro Junior, 144 - apto. 131 Cabral - CEP 80035-040 Curitiba - Paraná Telefone: 041- 352-3293 Fax: 041- 252-4960 "e-mail":fmbrenner@uol.com.br

 

Resumo

A síndrome dos anticorpos antifosfolipídeos (Saaf) está associada a diversas manifestações clínicas; trombose venosa e arterial, abortos de repetição e trombocitopenia estão entre as principais. Sinais e sintomas dermatológicos ocorrem em até 41% dos casos. A síndrome é evidenciada pela detecção no plasma de anticorpo anticoagulante lúpico (AACL) e/ou anticorpo anticardiolipina (AAC), genericamente denominados anticorpos antifosfolipídeos (AAF). Os autores relatam um caso de Saaf primária em uma paciente jovem apresentando úlcera crônica na panturrilha esquerda, dois abortos espontâneos no primeiro trimestre, quatro episódios de trombose venosa profunda (TVP) nos membros inferiores, livedo reticular, AACL e AAC positivos. A profilaxia dos eventos trombóticos com ácido acetil salicílico não foi efetiva. O uso contínuo de cumarínicos evitou novos episódios de trombose venosa profunda; nesse caso, porém, não houve cicatrização da úlcera.

Palavras-chave: SÍNDROME DOS ANTICORPOS ANTIFOSFOLIPÍDEOS, DOENÇA AUTO-IMUNE, ÚLCERA, ABORTO, TROMBOSE.

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações