Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

8

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

8

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 77 Número 1




Voltar ao sumário

 

Artigo de revisão

Micose fungóide: métodos de apoio ao diagnóstico

Mycosis fungoides: supportive diagnostic methods


FLAVIA DE FREIRE CASSIA BARROS LISBOA1, JUAN MANUEL PIÑEIRO MACEIRA2

1Mestranda em Dermatologia, Faculdade de Medicina, UFRJ.
2Professor adjunto, Departamento de Patologia, Faculdade de Medicina, UFRJ e Dermatopatologista, Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, UFRJ.

Recebido em 26.01.1999. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 21.08.1999. Trabalho realizado no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho/UFRJ - Serviços de Dermatologia e Anatomia Patológica.

Correspondência:
Flavia Lisboa Rua Pacheco Leão 1842 / 201 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ 22460-030 "E-mail":flisboa@openlink.com.br

 

Resumo

Os linfomas cutâneos de células T compreendem um grupo heterogêneo de doenças, sendo a micose fungóide o tipo mais comum. Essa forma de linfoma cutâneo apresenta-se classicamente com lesões eritematoescamosas que evoluem para placas e depois para tumores; essa evolução, entretanto, pode levar anos e até nem mesmo ocorrer. Outras formas de apresentação, como a eritrodermia esfoliativa e lesões hipocrômicas, também podem ser vistas. A dificuldade do diagnóstico clínico das lesões iniciais (eritematoescamosas) e das formas eritrodérmicas reflete-se no exame histopatológico, pelos quadros inespecíficos que podem representar. Os autores apresentam uma revisão e atualização dos métodos para o diagnóstico da micose fungóide, incluindo o exame histopatológico, a imunofenotipagem (técnicas de imuno-histoquímica) e a imunogenotipagem (reação de polimerase em cadeia e a hibridização com Southern blot), lembrando que a histopatologia (e a correlação clinicopatológica) continua sendo a principal arma no diagnóstico dessa doença.

Palavras-chave: DIAGNÓSTICO., MICOSE FUNGÓIDE

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações