Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 77 Número 3




Voltar ao sumário

 

Educação médica continuada

Carcinoma basocelular

Basal cell carcinoma


LUIS FERNANDO FIGUEIREDO KOPKE1, SÍLVIA MARIA SCHMIDT2

1Mestre em dermatologia pela UFMG. Pós-graduado em dermatologia cirúrgica na Universidade de Munique na área de cirurgia micrográfica. Ex-preceptor de cirurgia dermatológica nas residências em dermatologia do Hospital das Clínicas da UFMG e Santa Casa de Belo Horizonte. Membro efetivo da SBD e SBCD.
2Preceptora voluntária do curso de especialização em dermatologia do Hospital Universitário da UFSC. Membro efetivo da SBD e SBCD.

Recebido em 29.01.2002. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 12.02.2002.

Correspondência:
Luis Fernando Figueiredo Kopke Rua Rio Grande do Norte 1560/702 30130-131 Belo Horizonte MG Brazil "e-mail":luiskopke@uol.com.br

 

Resumo

O carcinoma basocelular (CBC) é o tipo de câncer mais comum em humanos, e sua incidência vem aumentando nos últimos anos. O conhecimento de sua histogênese, assim como de sua epidemiologia, tem-se tornado mais claro com as pesquisas no campo da genética, biologia molecular e dos inquéritos epidemiológicos, que identificaram fatores de risco e outras formas de prevenção. Houve progressos na compreensão de seu comportamento biológico, em face de sua variedade de formas clínicas e histopatológicas. Novos conhecimentos foram adicionados a particularidades, como os carcinomas basocelulares recidivados e metastáticos. O reconhecimento do tumor tornou-se mais apurado devido ao emprego de técnicas que aumentaram a acurária diagnóstica. Novas formas de terapia têm sido descritas, entre elas a terapia fotodinâmica e a utilização de imunomoduladores, ao lado de formas mais tradicionais, que se consolidaram pela experiência clínica. O prognóstico do CBC melhorou consideravelmente nas últimas décadas graças ao diagnóstico mais precoce, às medidas terapêuticas atuais, e à maior conscientização da população sobre o problema, fruto das campanhas educacionais. Este trabalho de revisão aborda pormenorizadamente cada um desses aspectos, focalizando suas instâncias práticas, no intuito de representar para o dermatologista uma fonte de referência para outros estudos.

Palavras-chave: PREVENÇÃO E CONTROLE, TERAPIA., NEOPLASIAS DE CÉLULAS BASAIS, ETIOLOGIA, CIRURGIA, CIRURGIA DE MOHS, CLASSIFICAÇÃO, DIAGNÓSTICO, EPIDEMIOLOGIA, PATOLOGIA

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações