Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

8

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

8

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 77 Número 4




Voltar ao sumário

 

Caso Clínico

Escleredema de Buschke: relato de dois casos

Scleredema of Buschke: report of two cases


ROBERTO LOPES GERVINI1, SERGIO ALEJANDRO MARTINEZ LECOMPTE2, ROBERTO CARLOS BUSTAMANTE PINEDA2, ELISIANE MARCOLIN MAGNABOSCO3, FERNANDA GOULART RUTHNER2, LUCIANO MÜLLER CORRÊA DA SILVA4

1Chefe do Serviço de Dermatologia/UFRGS. - Complexo Hospitalar Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre.
2Médico Residente do Serviço de Dermatologia/UFRGS. - Complexo Hospitalar Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre.
3Médica Dermatologista. - Erechim, RS.
4Pneumologista do Pavilhão Pereira Filho – Complexo Hospitalar Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre - Médico associado do Laboratório de Função Pulmonar da Santa Casa de Porto Alegre (PPF). - Pós-graduando do curso de Pós-graduação em Pneumologia da UFRGS.

Recebido em 29.08.2000. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 15.02.2002. * Trabalho realizado no Serviço de Dermatologia Universidade Federal do Rio Grande do Sul - Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre

Correspondência:
Dra Elisiane Marcolin Magnabosco Av. Silveira Martins, 327 Erechim RS 99700-000 "E-mail":emagnabosco@hotmail.com

 

Resumo

Escleredema de Buschke é doença rara do tecido conjuntivo, de etiologia desconhecida, caracterizada por endurecimento difuso e não depressível da pele, provavelmente mais prevalente do que o relatado na literatura. Ao exame histopatológico é observado o espessamento da derme (até três vezes seu tamanho) com grandes fibras de colágeno separadas por depósitos de mucopolissacarídeos, principalmente o ácido hialurônico. Os autores relatam dois casos dessa doença, sendo o primeiro de um paciente do sexo masculino, de 65 anos, com diabetes mellitus insulino-dependente; e o segundo, também do sexo masculino, de 47 anos, que apresentava paraproteinemia, intolerância aos carboidratos e exposição laboral prolongada ao glifosato A possível associação do escleredema de Buschke com exposição ocupacional a solventes orgânicos já foi descrita, mas não existem relatos até hoje da doença associados à exposição ocupacional prolongada a glifosato. Embora os autores não possam afirmar qual foi o papel desse agente químico na etiologia do escleredema de Buschke, já que o paciente apresentava outros fatores associados, sugerem a necessidade de avaliar com estudos posteriores a possível relação etiológica desse pesticida com a doença.

Palavras-chave: DIABETES MELLITUS, ESCLEREDEMA DO ADULTO, PARAPROTEINEMIAS

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações