Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

9

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

9

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 77 Número 4




Voltar ao sumário

 

Investigação

Estudo quantitativo das células de Langerhans no vitiligo

Quantitative study of langerhans’ cells in vitiligo.


ELY MOURA CARVALHO1, ANTÔNIO CARLOS MARTINS GUEDES2, LÚCIA PORTO FONSECA DE CASTRO3

1Mestre em Dermatologia pela UFMG.
2Mestre e Doutor em Dermatologia e chefe do serviço de Dermatologia do Hospital das Clínicas da UFMG
3Mestre em Patologia e professora do departamento de Patologia da UFMG).

Recebido em 04.04.01. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 23.03.02. * Trabalho realizado no Ambulatório de Dermatologia da Faculdade de Medicina da UFMG, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Correspondência:
Ely Moura Carvalho Av: Uruguai 966 Ap: 401 Sion Belo Horizonte MG 30310-300 Tel: (31) 3225-5239

 

Resumo

FUNDAMENTOS – A função das células de Langerhans na patogênese do vitiligo ainda permanece desconhecida. Existem divergências na literatura acerca da alteração na densidade das células de Langerhans nessa doença. OBJETIVOS – Avaliar se há alterações numéricas das células de Langerhans no vitiligo. MATERIAIS E MÉTODOS – Foram estudados 14 pacientes com vitiligo, sendo três com a doença estável e 11 com vitiligo em expansão. Biópsias foram feitas no centro e na borda da lesão, e na pele aparentemente normal, a qual serviu de controle. A identificação das células de Langerhans foi feita com o anticorpo Dako HLA-CR 3/43, e a revelação com o aminoetilcarbazole pela técnica de imuno-histoquímica. RESULTADOS – No nível de significância de 95%, a análise estatística dos resultados da imuno-histoquímica revelou que houve diferença significativa entre a quantidade de células de Langerhans no centro da lesão e em sua borda, quando comparada com a da pele aparentemente normal nos pacientes com vitiligo em atividade, pois o valor de p foi menor do que 0,05. Verificou-se aumento quantitativo das células de Langerhans na lesão e na borda, quando comparadas com a pele sem alterações visíveis. Nos pacientes com vitiligo estável, não foi encontrada diferença estatística significativa entre o número das células de Langerhans das biópsias do centro da lesão, da borda e da pele aparentemente normal. CONCLUSÕES – O número de células de Langerhans do centro da pele lesada e da borda das lesões de vitiligo em atividade está aumentado em nível estatisticamente significativo quando comparado com o número de células de Langerhans da pele aparentemente normal desses mesmos pacientes.

Palavras-chave: CELÚLAS DE LANGERHANS, VITILIGO

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações