Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 77 Número 4




Voltar ao sumário

 

Artigo de revisão

Eritema elevatum diutinum: relato de caso e revisão da literatura

Erythema elevatum diutinum: a case report and review of the literature


JOÃO ROBERTO ANTONIO1, CARLOS ROBERTO ANTONIO2, JULIANA PAZELLI BALAU3, DANIELA MIGUEL3, SOLANGE CORREA GARCIA PIRES D’ÁVILA4

1Professor Regente da Disciplina de Dermatologia da Faculdade Estadual de Medicina de São José do Rio Preto - SP (FAMERP)
2Professor Assistente da Disciplina de Dermatologia da FAMERP
3Acadêmica de Medicina da FAMERP
4Professora Assistente da Disciplina de Patologia da FAMERP

Recebido em 12.04.2001. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 20.03.2002. * Trabalho realizado na Faculdade Estadual de Medicina de São José do Rio Preto - SP - Disciplina de Dermatologia.

Correspondência:
João Roberto Antonio Rua Silva Jardim, 3114 – Centro São José do Rio Preto SP 95020-412 Telefone/Fax: (17) 232-6611 "e-mail":dr.joao@centrodapele.com.br

 

Resumo

O eritema Elevatum Diutinum (EED) é uma vasculite leucocitoclástica crônica, de rara incidência, caracterizada por placas, pápulas e nódulos eritêmato-purpúricos, localizados principalmente nas superfícies extensoras das extremidades. A patogênese do EED é ainda desconhecida, porém sugere-se o envolvimento de mecanismos imunológicos. Relata-se o caso de uma jovem de 19 anos que há cinco meses começou a apresentar lesões eritêmato-violáceas, escamosas, localizadas na face anterior do terço médio da perna direita, ocasionalmente com prurido. Histopatológico compatível com EED. Foi instituída terapêutica com dapsona, obtendo-se evolução favorável após 10 dias e clareamento total das lesões após cinco meses. Os autores apresentam uma revisão da literatura sobre etiologia, patogenia, evolução, diagnóstico clinicolaboratorial e opções terapêuticas do EED.

Palavras-chave: ERITEMA., DAPSONA

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações