Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

9

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

9

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 77 Número 1




Voltar ao sumário

 

Investigação

Leishmaniose Tegumentar no estado de mato grosso (Brasil): estudo clínico, laboratorial e terapêutico

Tegumentary Leishmaniasis in the state of Mato Grosso (Brazil): Clinical, Laboratorial and Therapeutic Studies


MARIA DE LOURDES RIBEIRO DE CARVALHO1, COR JÉSUS FERNANDES FONTES2, MÁRCIA HUEB2, ANTÔNIO CARLOS MARTINS GUEDES3, LUÍS CARLOS CROCCO AFONSO4, MARIA NORMA MELO5

1Doutora em Ciência (Parasitologia) pela UFMG
2Professor(a) do Depto. de Clínica Médica, UFMT
3Professor adjunto de Dermatologia da Faculdade de Medicina da UFMG
4Professor do Depto. de Ciências Biológica/NUPEB da UFOP
5Professora Titular do Depto. Parasitologia dp Instituto de Ciências Biológicas da UFMG

Recebido em 27.06.2000. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 18.12.2001 * Trabalho realizado no Depto. Parasitologia, ICB e na Faculdade de Medicina (Dermatologia) da Universidade Federal de Minas Gerais; Depto. Clínica Médica,Universidade Federal de Mato Grosso; Depto. de Ciências Biológicas /NUPEB, Universidade Federal de Ouro Preto

Correspondência:
Maria de Lourdes Ribeiro de Carvalho Rua dos Otoni, 909, sala 1301 Belo Horizonte – Minas Gerais 30150-270

 

Resumo

FUNDAMENTOS- A expressão clínica da leishmaniose tegumentar americana (LTA) é variável e depende de alguns fatores, como a espécie de Leishmania envolvida, e da relação do parasito com seu hospedeiro. OBJETIVOS –Avaliar clínica e laboratorialmente os pacientes com LTA atendidos no Ambulatório de Referência para Leishmanioses do Hospital Universitário Júlio Müller (ARL-HUJM), da Universidade Federal de Mato Grosso, Brasil, e identificar no nível de complexo as espécies de Leishmania causadoras da doença. MÉTODOS – Foram estudados pacientes de LTA atendidos por demanda espontânea, entre maio/97 e fevereiro/98, no ARL-HUJM. Para a inclusão no presente estudo foram considerados critérios clínicos, laboratoriais e terapêuticos RESULTADOS – Sessenta e sete pacientes foram incluídos no estudo. Predominaram adultos jovens, trabalhadores rurais, com lesão cutânea ulcerada e única, acometendo preferencialmente as extremidades. A resolução das lesões ocorreu de forma precoce após a terapêutica com antimonial pentavalente, exceto nas formas mucosas. Dos parasitos isolados 96,4% pertenciam ao complexo Leishmania braziliensis. CONCLUSÃO – Embora este estudo não permita concluir pela magnitude do problema da LTA no Estado de Mato Grosso, ele sugere que a LTA constitui um problema de saúde pública, havendo necessidade da caracterização do ciclo epidemiológico, incluindo a identificação da espécie, a fim de serem adotadas medidas de controle.

Palavras-chave: LEISHMANIOSE TEGUMENTAR, LEISHMANIA, PCR, EPIDEMIOLOGIA

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações