Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 68 Número 6




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Acurácia do exame sob a lâmpada de Wood na classificação dos cloasmas

Accuracy of the exam with Wood''''s lamp in the classification of chloasmas


HUMBERTO ANTÔNIO PONZIO1, MOEMA DE ALMEIDA FLORES CRUZ2

1Professor adjunto da Faculdade de Medicina da UFRGS
2Dermatologista. Ex-residente do Serviço de Dermatologia da Santa Casa de Porto Alegre - UFRGS

Trabalho realizado no Serviço de Dermatologia da Santa Casa de Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Apresentado na X Tertúlia de Professores de Dermatologia, realizada em Serra Negra, SP de 5 a 8/11/92.

Correspondência:
Humberto Antônio Ponzio Rua Mariante, 239/303 90430-181 - Porto Alegre - RS

 

Resumo

O cloasma é uma hipermelanose adquirida que ocorre, predominantemente, na face, sendo exacerbado pela luz. Está associado à gravidez, anovulatórios e outros medicamentos, podendo ser idiopáticos e ocorrer em homens. Clinicamente podemos classificá-lo em central ou periférico, conforme sua distribuição topográfica e histologicamente, em epidérmicos, dérmicos e mistos, de acordo com a localização predominante do pigmento. A identificação não invasiva do sítio do pigmento tem sido proposta pela utilização da lâmpada de Wood (observa-se tonalidade mais escura quando a melanina está situada mais superficialmente). Objetivo - Estabelecer a proporção de acertos na classificação dos cloasmas pelo exame da pele sob a lâmpada de Wood, tendo como padrão ouro o exame histopatológico. Material e métodos - Sessenta e uma pacientes portadoras de cloasma foram submetidas ao exame sob a lâmpada de Wood e à biópsia de pele para identificar a principal localização do pigmento melânico. Os dados foram compilados e os resultados dispostos numa tabela 2 x 2, para cálculo da sensibilidade, especificidade e acurácia do teste, tendo por comparação o exame histopatológico. Resultados - No cloasma epidérmico a acurácia foi de 52%, a sensibilidade 61% e a especificidade 40%; no dérmico encontramos acurácia de 46%, sensibilidade 70% e especificidade 47% e, no misto, 41%, 53% e 37%, respectivamente. Conclusões - Concluímos que, na amosta estudada, o exame da pele sob a lâmpada de Wood, para classificação dos cloasmas, mostrou-se medianamente sensível, porém com baixa especificidade, resultando em uma acurácia média de 46%, aquém da expectativa.

Palavras-chave: CLOASMAS, TESTES DIAGNÓSTICOS, LÂMPADA DE WOOD

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações