Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 68 Número 6




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Tatu e Hanseníase


SÍLVIA DA COSTA CARVALHO RODRIGUES1, E. BECARO1, E. KOIZUMI1, MAURÍCIO MOTA DE AVELAR ALCHORNE2

1Doutorando da Faculdade de Medicina da Universidade de Mogi das Cruzes - São Paulo - SP
2Professor Titular da Disciplina de Dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Mogi das Cruzes - São Paulo - SP. Professor Adjunto do Departamento de Dermatologia da Escola Paulista de Medicina

Correspondência:
M. M. A. Alchorne Rua Manoel da Nóbrega, 129 04001-080 - São Paulo - SP

 

Resumo

Grande número de hansenianos admite a possibilidade de que o uso da carne de tatu na sua alimentação possa ser meio de transmissão da hanseníase. Tentando esclarecer se esta crença é verdadeira os autores entrevistaram 205 doentes dos quais 132 eram do sexo masculino e 73 do sexo feminino, indagando pormenorizadamente sobre o hábito alimentar com carne de tatu. Dos 205 doentes entrevistados, 127 referiam o uso da carne; destes 127 doentes, 101 consumiam o alimento antes do início da doença e 26 doentes referiam o seu uso quando já apresentavam manifestações clínicas da moléstia. Os autores realizaram pesquisa bibliografia sobre o assunto estudado e tecem comentários sobre os resultados obtidos e os dados da literatura.

Palavras-chave: TATU, HANSENÍASE

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações