Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 69 Número 2




Voltar ao sumário

 

Investigação

Estudo experimental da micose de Lobo

Experimental study of Lobo''''s mycosis


DOMINGOS BARBOSA SILVA1

1Professor Titular de Dermatologia -UFPA

_Aceito para publicação em 02.08.93._ *Trabalho realizado no Departamento de Dermatologia, CCS - UFPA

Correspondência:
Domingos Silva Rua Benjamin Constant, 1535 Belém PA 66035-060

 

Resumo

FUNDAMENTO - Existe grande dificuldade de se cultivar o cogumelo responsável pela micose de Lobo, que é oligotermófilo, em diversos meios de cultura. OBJETIVO - Na tentativa de cultivar o agente causal da micose de Lobo, utilizou-se meio líquido e a baixa temperatura. MATERIAL E MÉTODOS - O material foi obtido de biópsia rica em parasitas, colocado sobre lâmina escavada, com soro fisiológico glicerinado a 30% e vitamina B, ficando numa temperatura de 4ºC. O líquido evaporado era periodicamente completado. RESULTADOS - Houve crescimento acentuado do fungo, com alterações em sua morfologia, aparecimento de tubos germinativos e micélios sem septação. CONCLUSÕES - Esses achados são comparados com os de Fonseca Filho & Leão e o autor sugere que o agente etiológico da micose de Lobo está mal colocado na sistemática micológica.

Palavras-chave: MICOSE DE LOBO, MICOSE

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações