Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 69 Número 4




Voltar ao sumário

 

Investigação

Estudo clínico e histopatológico da patergia na doença de Behçet

Clinical and histopathological study of pathergy in Behçet''''s syndrome


MARIA ANTONIETA RIOS SCHERRER1, NEWTON VITRAL2, EDUARDO BAMBIRRA3, FERNANDO OREFICE4

1Mestre em Dermatologia.
2Doutorando em Oftalmologia
3Professor Titular de Anatomia Patológica
4Professor Titular em Oftalmologia

_Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 18.5.94._ *Trabalho realizado no Departamento de Oftalmologia, Clínica de Uveite - Universidade Federal de Minas Gerais.*

Correspondência:
Maria Antonieta Rios Scherrer Rua Visconde Rio Velhas, 60/101 Belo Horizonte MG 30380-741

 

Resumo

FUNDAMENTOS - A patergia parece ser característica e única na doença de Behçet (DB), mas sua incidência é variável nas diversas regiões do mundo. No Brasil não há referência sobre seu estudo. OBJETIVOS - Pesquisar a patergia e descrever seus aspectos clínicos e histopatológicos. MÉTODO - O teste da patergia foi pesquisado, segundo recomendações do Grupo Internacional de Estudo da Doença de Behçet, em 24 pacientes com DB, provenientes da Clínica de Uveíte (Departamento de Oftalmologia - UFMG), e em 12 pacientes do grupo controle. Foram feitos exames histopatológicos de biópsias do local do teste e da pele normal do antebraço contralateral, em ambos os grupos. RESULTADOS - A patergia foi negativa em 91,6% dos pacientes e positiva em 8,3%. No grupo controle não houve teste positivo. A histopatologia no local do teste mostrou quadro de dermovasculite linfocítica e leucocitoclásica, como observado nas lesões cutâneas da doença, em 83,3% dos pacientes. Tais achados não foram encontrados na maioria dos pacientes do grupo controle, ou na pele normal, do antebraço, em ambos os grupos. CONCLUSÕES - O teste da patergia se mostrou negativo. Seu quadro histopatológico, apesar de relativamente inespecífico, uma vez que a presença de dermovasculite linfocítica ou leucocitoclásica não possa confirmar a doença, se tornou importante para o diagnóstico, já que não existem outros exames laboratoriais patognomônicos.

Palavras-chave: UVEITE, ESTOMATIITE AFTOSA, GENITÁLIA, SÍNDROME DE BEHÇET, BOCA

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações