Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 79 Número 2




Voltar ao sumário

 

Artigo de revisão

Fasciíte necrosante: revisão com enfoque nos aspectos

Necrotizing Fasciitis: new insights with a focus on dermatological aspects


IZELDA MARIA CARVALHO COSTA1, SIMONE SARAIVA DE PONTES2, ANDREA LEÃO SANTOS VEIGA CABRAL2, JANAINA FIGUEIREDO DE AMORIM2

1Mestre em Dermatologia, UFMG, Doutor em Dermatologia, UNIFESP. Dermatologista, Hospital Universitário - UnB e Professora Orientadora do curso de pós-graduação em Ciências da Saúde da Universidade de Brasília (UNB)
2Ex-residentes do Serviço de Dermatologia do Hospital Universitário - UnB

Recebido em 29.04.2002. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 18.03.2003. Trabalho realizado no Hospital Universitário de Brasília.

Correspondência:
Izelda Maria Carvalho Costa SHIS QI 17 Conjunto 08 Casa 02 71645- 080 Brasília DF Tel.: (61) 364-1702 "E-mail":izelda@brturbo.com.br

 

Resumo

Fasciíte necrosante é infecção bacteriana destrutiva e rapidamente progressiva do tecido subcutâneo e fáscia superficial, associada a altos índices de morbimortalidade, se não tiver tratamento precoce. Recentemente, inúmeros casos publicados têm demonstrado aumento na freqüência e gravidade dessa infecção, particularmente causada pelo Streptococcus do grupo A (GAS) e que acomete até mesmo pessoas jovens e saudáveis. Classifica-se em tipo I, quando causada por flora mista de anaeróbios e outras bactérias, e tipo II, quando causada pelo GAS isolado ou associado ao Staphylococcus aureus. Os fatores predisponentes incluem: doenças crônicas e malignas, abuso de álcool, uso de drogas endovenosas, lesões da pele como varicela, úlceras crônicas, psoríase, cirurgia, traumas abertos e fechados, entre outros. Clinicamente destacam-se: a dor intensa, o edema grave, a rápida progressão e a resposta pobre à antibioticoterapia. É necessário um alto índice de suspeição para o diagnóstico clínico, que é confirmado à intervenção cirúrgica, com a evidência de necrose da fáscia superficial. Os exames radiológicos são úteis, e o diagnóstico diferencial deve ser feito principalmente com celulite em seu estágio inicial. O tratamento, que deve ser precoce, é feito com antibióticos de amplo espectro, debridamento cirúrgico agressivo e medidas de suporte clínico e nutricional.

Palavras-chave: FASCIITE NECROSANTE/DIAGNÓSTICO, FASCIITE NECROSANTE/TERAPIA, FASCIÍTE NECROSANTE

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações