Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 69 Número 4




Voltar ao sumário

 

Investigação

Linfogranuloma venéreo: aspectos clínico-epidemiológicos

Lymphogranuloma venereum: clinical and epidemiological aspects


ANA MARIA FERREIRA ROSELINO1, ALCYONE A. MACHADO2, ANA MÁRCIA DE ALMEIDA3, NORMA TIRABOSCHI FOSS3

1Professora Assistente
2Professora de Ensino
3Professora Associada

_Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 27.6.94._ *Trabalho realizado na Disciplina de Dermatologia e de Moléstias Infecciosas, Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP e apresentado na III Jornada de Doenças Sexualmente Transmissíveis de Ribeirão Preto, SP, em 02.4.93.*

Correspondência:
Ana Maria F. Roselino Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Departamento de Clínica Médica Av. Bandeirantes, 3900 Ribeirão Preto SP 14049-900

 

Resumo

FUNDAMENTOS - O LGV é causado pela bactéria Gram negativa, _Chlamydia trachomatis_, imunotipos L1, L2 e L3. É uma doença rara, embora outros sorotipos causadores de uretrites e salpingocervicites sejam os mais comuns. OBJETIVO - Embora a prevalência de LGV não seja significativa entre as DST, tem sido relatado o aumento de ocorrência entre os infectados pelo HIV, pois sendo uma das DST que às vezes apresenta úlcera genital, pode servir de porta de entrada para o HIV, daí a importância do conhecimento de sua ocorrência. MÉTODO - Foi realizado levantamento da casuística de LGV, no período compreendido entre 1978 e 1992, do HCFMRP - USP. RESULTADOS - Foi constatada a ocorrência de 14 casos, com predomínio do sexo masculino e da raça branca, sendo a ocorrência maior entre 25 e trinta anos de idade. Em dois pacientes foi observada lesão peniana em cicatrização, quando constatado o bubão inguinal. Quatro casos masculinos e três femininos apresentaram fistulização. Alguns foram tratados com tetraciclina, porém a maioria com sulfametoxazol + trimetropim. Quatro não retornaram e os demais apresentaram cura clínica no período de 15 a 35 dias. CONCLUSÃO - Em 15 anos foram diagnosticados apenas 14 casos de LGV. Embora não tenha ocorrido associação com HIV, esta deve ser investigada nas DST com úlceras genitais.

Palavras-chave: CHLAMYDIA, DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS, EPIDEMIOLOGIA, LINFOGRANULOMA VENÉREO

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações