Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 51 Número 3




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Dermatoses profissionais na indústria macânica-óleos solúveis


SALIM AMED ALI1, A. A. TOLEDO2, P. A. ZAIA3

1Médico do Serviço de Medicina Industrial do SESI.
2Médico do trabalho da Philco Rádio e Televisão Ltda. – Divisão Eletrônica- Cumbica.
3Chefe do Serviço de Medicina Industrial do SESI.

*Trabalho apresentado no "Simpósio sobre Dermatoses Profissionais" do XXXII Congresso Brasileiro de Dermatologia.*

Correspondência:
Salim Amed Ali Avenida Pompéia, n° 1720 CEP. 05022 - São Paulo - SP

 

Resumo

“O óleo para corte” ocupa posição importante no crescimento industrial e, por algumas décadas, vem contribuindo para aumentar a prevalência das dermatoses ocupacionais. Das três variedades de óleo de “corte” a mais empregada é o “óleo solúvel” e a este está dedicado o presente trabalho. O Serviço de Medicina Industrial do SESI atendeu, no período de abril de 1974 a junho de 1975, 1.218 pacientes portadores de doenças ocupacionais, dos quais 15 apresentavam anamnese profissional mostrando dermatite de contato por óleo solúvel. Entre os 15 pacientes, 9 foram submetidos ao teste de contato, sendo que 6 revelaram sensibilização ao óleo solúvel e os 3 restantes apenas irritação primária. Entre os 15 doentes, apenas 3 usavam equipamento de proteção individual. O número de profissionais da indústria mecânica com estas dermato¬ses vem declinando nas últimos anos em vários países como decorrência não só da automatização, bem como da melhora acentuada na qualidade dos óleos solúveis industriais. Os trabalhadores deveriam ser bem instruídos quanto à necessidade de uma escrupulosa higiene pessoal. Equipamento de proteção individual, como luvas especiais, aventais impermeáveis e cremes protetores, devem ser providenciados. Limpeza dos locais de trabalho e controle ambiental reduzem a contaminação do empregado.

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações