Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 53 Número 2




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Hiperidrose plantar, ceratólise plantar sulcada e pontuada

Hiperidrose plantar, ceratólise plantar sulcada e pontuada


ALEXANDRE MELLO FILHO1, GUILHERME MILWARD PRIMAVERA2, IVAL PERES ROSA2, E. P. SANDRESCHI2, YASSUNOBU UTIYAMA2

1Médico do Trabalho da C. C. de Laticínios do Estado de São Paulo, Chefe da Clínica Dermatológica do Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo
2Assistente

Trabalho apresentado ao XIV Congresso Nacional de Prevenção de Acidentes do Trabalho, Rio de Janeiro, 1975.

Correspondência:
Alexandre Mello Filho Rua Bartira, 176, 8ºand. apt. 81 Perdizes - CEP 05009 São Paulo

 

Resumo

Nos transtornos conhecidos como pé de imersão, como conseqüência do prolongado contato com calçados umedecidos, surgem alterações características. É o que se encontra em operários, que trabalham em aterros de alagadiços e em soldados que combatem em zona pantanosa. No Vietnam do Sul, médicos militares, examinando 3.000 pacientes, constataram esse estado, do qual resultam duas afecções: micoses e uma entidade, a ceratólise plantar sulcada e pontuada, originada por Corynebacterium. Em observações semelhantes, no Ambulatório Médico da C.C.L.E.S.P., no exame pré-admissional e periódico, constataram os autores que as lesões de ceratólise plantar eram mais freqüentes nos trabalhadores que usavam botas de polivinil (P.V.C.), desde que portadores de hiperidrose plantar.

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações