Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 54 Número 3




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Intradermorreação de montenegro e imunoflurescência indireta em familiares de doentes com leishmaniose tegumentar americana


LUIZ CARLOS CUCÉ1, J. OLIVEIRA F.2, CYRO FESTA NETO1

1Docente Livre do Departamento de Dermatologia do Hospital das Clínicas da FMUSP.
2Médico Residente de 2° ano de Dermatologia da Hospital das Clínicas da FMUSP.

*Trabalho realizado na Divisão de Dermatologia do Departamento de Medi¬cina Tropical e Dermatologia da FMUSP (Serviço do Prof, Dr. Sebastião , A. P. Sampaio).*

Correspondência:
Luiz Carlos Cucé R. Prof. Alfonso Bovero, 377 01254- São Paulo - SP.

 

Resumo

Os AA. Efetuaram levantamento epidemiológico em 67 parentes de doentes de LTA, através da Intradermorreação de Montenegro (IRM) e da Imunofluorescência Indireta (IFI). A comparação foi feita com 60 indivíduos sãos ou portadores de outras dermatoses. Foram obtidas IRM positivas em 20,8 nos familiares e 1,6% no grupo controle. Após confronto com dados de literatura, conclui-se não haver diferença significativa, nos familiares, em relação aos indivíduos de zona endêmica. Não foi encontrado nenhum familiar com cicatriz sugestiva de seqüela de LTA. A IFI, mostrou-se insuficiente para levantamentos epidemiológicos, pois só foi encontrada uma positividade de 2,9%, no grupo de familiares estu¬dados.

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações