Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

2

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso tenha esquecido sua senha, solicite-nos.

Login como assinante

2

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 37 Número 1 a 4




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Incidência dos "Naevi cellulares" no Serviço de Clínica Dermatológica e Sifilográfica do Hospital dos Serviços do Estado


MARIO RUTOWITSCH1, EDSON A. DE ALMEIDA2, ISAAC GABBAY3

1Chefe do Serviço de Dermatologia do Hosp. dos Servidores do Estado (Rio de Janeiro)
2Chefe de clínica do Serviço referido
3Assistente do mesmo Serviço

Trabalho apresentado na XVI Reunião dos Dermato-Sifilógrafos Brasileiros (São Paulo, julho de 1959).

Correspondência:
Hospital dos Servidores do Estado (Serviço de Dermatologia) - Rua Sacadura Cabral (Rio de Janeiro).

 

Resumo

Os AA. apresentam um estudo clinico baseado em 137 casos de Naevi cellulares, observados no Serviço de Dermatologia do H. S. E. Dos 137 casos, observaram: Naevi intradermici pigmentados - 31 casos - 22,6%. Naevi de junção - 6casos - 4,3%. Naevi cellulares intradermici - 89 casos - 64,9%. Naevi caerulei (pro parte) - 2 casos - 1,4%. Naevi compostos - 9 casos - 6,5%. Estudam cada uma destas formas de acordo com o sexo, a raça, a época do aparecimento da lesão, a idade do paciente no momento da consulta, o tipo da lesão e a localização, tecendo diversas considerações sobre estes fatos. Terminam concluindo que os Naevi em geral, constituem lesões benignas, exceção feita para os Naevi de junção e para os Naevi compostos que apresentem atividade juncional, levando em consideração os argumentos apresentados pela maioria dos modernos autores que se têm dedicado ao assunto; aconselham finalmente, como tratamento ideal, a excisão completa, isto é, larga, da lesão, com bisturi, que é a que praticam correntemente.

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações