Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

37

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

37

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 40 Número 4




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Esporotricose no Rio Grande do Sul


CLOVIS BOPP1, CESAR DUÍLIO VAREJÃO BERNARDI2

1Catedrático da Cadeira de Clínica Dermatológica e Sifilográfica da Faculdade de Medicina de Pôrto Alegre, URGS.
2Instrutor de Ensino da Cadeira de Clínica Dermatológica e Sifilográfica da Faculdade de Medicina de Pôrto Alegre, URGS.

 

Resumo

Os autores estudam o comportamento clínico da esporotricose no Rio Grande do Sul, comparando os seus dados com os de autores nacionais e sul-riograndenses. Analisam 122 casos ocorridos no Serviço da Cadeira de Clínica Dermatológica e Sifilográfica da Faculdade de Medicina de Pôrto Alegre, URGS, nos últimos 12 anos. Verificam a incidência maior da esporotricose em baixa idade (45,9% em indivíduos de menos de 20 anos). Predominou a profissão de agricultor no sexo masculino e de lides domésticas no sexo feminino, entre os 122 pacientes. Foi muito reduzida a incidência da esporotricose em pretos (3,3%). Predominou a forma cutâneo-linfática (66,4%) sôbre a forma fixa (26,2%). A localização preferêncial foi nos membros superiores (516%). Nas crianças, verificou-se freqüência da sede facial e das localizações múltiplas. Os autores consignam a raridade das localizações da espo¬rotricose nas mucosas e do acometimento visceral do Rio Grande. Mencionam casos de associação da esporotricose com a blastomicose de Lutz e a cromoblastomicose. Registram os dados de pequena epidemia de esporotricose e a ocorrência de cura espontânea desta micose. Transcrevem alguns aspectos inusitados desta afecção e finalmente, relatam os primeiros resultados obtidos com o uso do iodeto de sódio, administrado por via intra-arterial, no tratamento da esporotricose.

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações