Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

11

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

11

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 41 Número 3




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Tratamento da blastomicose sul-americana com a sulfamida RO 4-4393 (2) em doses semanais (1)


CID FERREIRA LOPES1, TANCREDO FURTADO2, NETTO C. F.3, HERMETO A4

1Chefe da II Clínica Dermatológica da Santa Casa de Belo Horizonte e Assistente da Faculdade de Medicina da U.M.G. (Catedrátlco: Prof. Roberto J. Alvarenga) e da Faculdade de Ciências Médicas (Prof.: Tancredo A. Furtado).
2Catedrático da Clínica Dermatológica da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Católica de Minas Gerais.
3Livre docente e Assistente de Microbiologa da Faculdade do Medicina da Universidade de S. Paulo (Catedrático: Prof, Carlos S. Lacas) a Professor da Faculdade de Clências da Santa Casa de Misericórdia de S. Paulo.
4Professor de Microbiologia da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Católica de Minas Gerais.

Trabalho da II Clínica Dermatológica de Homens da Santa Casa de Belo Horizonte (Chefe: Dr. Cid Ferreira Lopes), da Clínica Dermatológica da Faculdade de Medicina da U.M.G. (Catedrático: Prof. 0swaldo Costa) e da Clínica Dermatológica da Faculdade de Ciências Médicas (Catedrático: Prof. Tancredo A. Furtado). Apresentado ao V Congresso do Colégio Ibéro-Latino-Americano de Dermatologia, realizado em Buenos Aires, de 24 a 30 de novembro de 1983. A sulfamlda Ro 44393 ó fabricada por P. Hoffmann - La Roche & Cie., de Basiléia, Suiça e nos foi proporcionada por Intermédio de Produtos Roche Quimicos e Farmacêuticos S. A. Os nossos agradecimentos.

 

Resumo

Relata-se o tratamento de 18 doentes de b.s.a. com a sulfamida Ro 4-4393, uma vez por semana. Os doentes se distribuiam nas seguintes formas clínicas: tegumentar 4, tegumentolinfática 4, ganglionar 1, tegumento-visceral (pulmões) 3, e tegumento-linfáticovisceral (pulmões) 6. Dêsses pacientes, 8 ainda não haviam sido tratados. O diagnóstico se baseou no achado do fungo nos exames micológicos ou histopatológicos. Foram feitos todos os exames de rotina, tanto para contrôle, como para tolerância ao medicamento. Adotaram-se três esquemas de tratamento; o primeiro (Grupo I) com 200 mg diários, precedidos de 1,0 g de uma vez, no primeiro dia; o segundo (Grupo II) igual ao primeiro, mas substituindo-se, ao fim de algum tempo, a dose diária de 200 mg por dose semanal, de uma vez, de 1,5 ou 2,0 g. O terceiro esquema com a mesma dose semanal, mas desde o inicio. A média da duração do tratamento foi de 153,1 dias e a dose total média de 39,4 g. Pelos resultados obtidos, a classificação foi a seguinte: BOM 12, PARCIALMENTE BOM 5, e MAU 1. O caso MAU foi sulfaresistência. Em geral, a cura clínica se acompanhou de baixa nos títulos da reação de fixação do complemento. A tolerância à sulfamida empregada foi excelente em todos os três esquemas. Os autores acham que a sulfa Ro 4-4393 se compara à sulfadiazina e à anfotericina B no tratamento da b.s.a., tendo a grande vantagem da administração semanal. Essa propriedade torna mais fácil, mais cômodo e mais exequível um tratamento prolongado, tal como se exige para essa doença. Concluem, dizendo que, por essa comodidade de administração e pela sua eficiência, a sulfa Ro 4-4393, se não é a mais indicada, pelo menos, é uma das drogas mais indi¬cadas no tratamento a blastomicose sul-americana.

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações