Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

7

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 42 Número 1




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Retorno da escabiose no Rio Grande do Sul


CLOVIS BOPP1, LUCIO BAKOS2

1Professor catedrática de Cl. Dermato-sifilográfica da Fac. Med. de P. Alegre UFRS
2Monitor da Cadeira de Cl. Dermato-sifilográfica da Fac. Med. de P. Alegre UFRGS

 

Resumo

Os autores comentam preliminarmente, o declínio da inci¬dência da escabiose após a segunda guerra mundial, no Brasil e em muitos outros paises, mostrando alguns dados estatísticos coletados de autores estrangeiros que bem demonstram o decéssimo e mesmo o desaparecimento da moléstia no mundo inteiro. A seguir, analisam algumas causas eventuais do desaparecimento da afecção, apontando, entre outras, as melhores condições de vida de higiene da atualidade, bem como o advento de potentes acaricidas, como o benzoato de benzila e o hexaclorociclohexane Em prosseguimento, chamam a atenção para o abrupto resurgimento da moléstia, tanto na clínica privada como em hospitais gerais, no caso a Sta. Casa de Misericórdia de Porto Alegre, assemelhando-se esta reofensiva à da sífilis e da gonorréia, após o hiato dos anos de 1945 a 1955. Descrevem alguns aspectos clínicos, epidemiológicos e complicacões da escabiose, bem como casos de imunidade natural ao ácaro e também os de intenso parasitismo, configurados pela sarna norueguesa ou crostosa. Após sumário estudo clínico e patogênico desta afecção, fazem referência à trabalhos nacionais e estrangeiros, bela como à classificação de suas formas clínicas, concluindo com a apresentação de novo caso de sarna crostosa em paciente mongolóide, observação recentemente.

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações