Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Último dia para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Último dia para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 43 Número 2




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

O eczema de contacto como farmacodermia


RUBEM DAVID AZULAY1, A. AZULAY2, W. PORTO3, G. FERNANDEZ4

1Professor catedrático de Clínica Dermatológica na Faculdade de Medicina Universidade Federal Fluminense; Professor Adjunto na Faculdade de Ciências Médicas, Universidade do Estado da Guanabara: Livre-Docente na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
2Professor Adjunto de Dermatologia na Faculdade de Medicina da Universidade Federal Fluininense e Chefe do Serviço de Lepra. do Estado da Guanabara.
3Dermatologista do Hospital Eduardo Rabelo
4Estagiário do Instituto de Dermatologia

Trabalho apresentado a 24ª Reunião Anual dos Dermatosofilógrafos Brasileiros, realizada em Outubro 1967, Juiz de Fora.

 

Resumo

Os A.A. chamam a atenção para a importância dos farmacos tópicos na genese do eczema de contacto. Fornecem dados, estatísticos obtidos em clínica particular no bairro de Copacabana, Rio de Janeiro. Ressaltam a importância do uso tópico de sulfanilamida na determinação do eczema de contacto e suas implicações de sensibilidade cruzada com anestésico corantes etc. Analizam 16.463 casos de dermatoses várias nos quais a trequência do eczema de contacto por drogas foi de 0.24%. Nessa casuística o número de eczemas em todas as suas formas foi de 1.600, ou seja, 9.72% em relação as demais dermatoses. Nesses 1.600 casos de eczema houve 40 (2.5%) de eczemas de contacto por drogas dentre os 533 (33,3%) casos de eczema de contacto estudados 40, ou seja, 0.8% eram produzidos por drogas.

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações