Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

26

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

26

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 80 Número 2




Voltar ao sumário

 

Investigação

Dermatite de contato por metais: prevalência de sensibilização ao níquel, cobalto e cromo

Metal contact dermatitis: prevalence of sensitization to nickel, cobalt and chromium


IDA DUARTE1, JOSÉ ROBERTO AMORIM2, ELIENE FÉLIX PERÁZZIO3, RUTSNEI SCHMITZ JUNIOR4

1Professora Adjunta da Disciplina de Dermatologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (SP)
2Médico dermatologista em estágio de especialização na clínica
3Residente da disciplina de Dermatologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (SP)
4Acadêmico da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (SP)

Recebido em 30.06.2004. Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 04.02.2005. Trabalho realizado no Ambulatório de Dermatologia do Hospital Central da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (SP)

Correspondência:
Ida Duarte Rua Diana, 820 / 1151 São Paulo SP CEP 05019-000 Tel: (11) 223-0501 "E-mail":idaduarte@terra.com.br

 

Resumo

*Fundamentos:* Dermatite de contato (DC) por metais é dermatose comum em diversos grupos populacionais. *Objetivos:* Caracterizar o grupo com DC ao níquel, cromo e cobalto na população estudada, determinar a prevalência da sensibilização aos mesmos, verificar as combinações de testes positivos e comparar com a literatura. *Casuísticas e Métodos:* Foram realizados testes epicutâneos em 1.208 pacientes com hipótese diagnóstica de DC. Selecionaram-se aqueles com testes positivos aos metais. *Resultados:* Obtiveram-se 404 pacientes (33,5% da amostra) com pelo menos um teste positivo ao níquel e/ou cobalto e/ou cromo. Foram 487 testes positivos a metais, correspondendo a 48% de todos os testes positivos. A maioria dos pacientes era do sexo feminino (72%), de cor branca (54%), com idade entre 40 e 49 anos (25%) empregada na área de limpeza (59%). Dos 404, 329 (81,5%) foram positivos a apenas um tipo de metal, sendo 60% com teste positivo ao níquel, 13% ao cromo e 8,5% ao cobalto. Cerca de 18,5% apresentaram testes positivos a dois ou três metais, sendo a associação níquel/cobalto a mais comum. *Conclusões:* A sensibilização aos metais foi de 48%, entre os testes positivos e ocorreu principalmente em mulheres da cor branca, na faixa etária de 40 a 49 anos e sem correlação ocupacional. A maioria apresentou sensibilização a apenas um metal. Esses dados são semelhantes aos de outros trabalhos já publicados.

Palavras-chave: COBALTO, CROMO, DERMATITE DE CONTATO, METAIS, NÍQUEL

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações