Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

4

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

4

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 56 Número 4




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Tratamento da psoríase pelo etretinato (RO 10-9359) por via oral


CID FERREIRA LOPES1, BENEDITO A. RODRIGUES2

1Professor Adjunto de Dermatologia (Cursos de Pós-Graduação) da Faculdade de Medicina da U.F.M.G. e Chefe da II Clínica Dermatológica da Santa Casa de Belo Horizonte - MG
2Chefe dos Laboratórios da Santa Casa de Belo Horizonte - MG

Trabalho da Clínica Dermatológica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais e da II Clínica Dermatológica da Santa Casa de Belo Horizonte - MG

Correspondência:
Cid F. Lopes Rua Cláudio Manual, 769/203 30000 - Belo Horizonte - MG

 

Resumo

O AUTOR RELATA O TRATAMENTO DA PSORÍASE POR VIA ORAL, COM O ETRETINATO (RO 10-9359), EM UM ENSAIO QUE CONSTOU DE TRÊS GRUPOS DE DOENTES, NO TOTAL DE 68, REALIZADO ENTRE 1976 E 1980. DOIS GRUPOS EM ENSAIO NÃO COMPARATIVO, SENDO UM DE 13 DOENTES, RECEBENDO 50 MG DO MEDICAMENTO POR DIA, SEM TRATAMENTO LOCAL E 0 OUTRO COM 20 DOENTES, COM DOSES VARIADAS E TRATAMENTO LOCAL COM UNGÜENTO DE DIFL UORCORTOLONA A 1,0% EM ÁREAS ESCOLHIDAS. O TERCEIRO ENSAIO FOI DO TIPO DUPLO CEGO, EM QUE O GRUPO MEDICADO, COM 19 DOENTES, RECEBEU 30 MG DO "TINÓIDE POR DIA. TANTO ESSE GRUPO COMO O DE PLACEBO, COM 16 DOENTES, RECEBERAM TRATAMENTO LOCAL COM O REFERIDO UNGÜENTO E TAMBÉM EM ÁREAS ESCOLHIDAS. NÃO HOUVE PREOCUPAÇÃO DE FORMAS CLÍNICAS, MAS A FORMA VULGAR PREDOMINOU, COM 63 CASOS, DOS QUAIS 47 DE LOCALIZADA E 16 DE GENERALIZADA, ALÉM DE 2 CASOS DE ERITRODÉRMICA, 2 DE ERITRODERMICA-ARTROPÁTICA E 1 DE PUSTULOSA PALMOPLANTAR (BARBER). O MELHOR RESULTADO FOI OBTIDO NO GRUPO QUE RECEBEU 50 MG DO MEDICAMENTO) POR DIA E SEM TRATAMENTO LOCAL. O ENSAIO DUPLO CEGO REVELOU QUE 0 TRATAMENTO LOCAL NÃO INFLUIU NO RESULTADO. O AUTOR É DE OPINÃO QUE O TRATAMENTO LOCAL COM CORTICÓIDE É DISPENSÁVEL QUANDO SE USA O RETINÓIDE RO 10-9359 POR VIA ORAL. HOUVE ALGUNS CASOS EM QUE ÁREAS NÃO TRATADAS REGREDIRAM COMPLETAMENTE, MAIS DEPRESSA DO QUE AS TRATADAS COM 0 CORTICÓIDE LOCAL. O AUTOR CHEGA A DESACONSELHAR O TRATAMENTO TÓPICO COM COR77CÓIDE A FIM DE EVITAR A SOMAÇÃO DE EFEITO COLATERAL COMUM AOS DOIS MEDICAMENTOS, QUE É A ATROFIA DA PELE, PELO RISCO DO APARECIMENTO DE ESTRIAS, O QUE ACONTECEU EM UMA DE SUAS PACIENTES, DE 19 ANOS. OS EFEITOS COLATERAIS MAIS FREQUENTES FORAM: SECURA DE UNOS E QUEILITE, ADELGAÇAMENTO DA PELE, ESFOLIAÇÃO PALMOPLANTAR E DISCRETA ALOPECIA, TODOS ELES REVERSÍVEIS À DIMINUIÇÃO OU RETIRADA DO MEDICAMENTO. O MEDICAMENTO FOI BEM TOLERADO. CONCLUI QUE O RET7NOIDE EMPREGADO É EFICAZ NO TRATAMENTO DA PSORIÁSE, SOBRETUDO NAS FORMAS GRAVES, COMO ERITRODÉRMICA, ARTROPÁTICA E PUSTULOSA PALMOPLANTAR, PARA AS QUAIS NÃO SE DISPUNHA ANTES DE UM MEDICAMENTO ATUANTE.

Palavras-chave: ETRETINATO, TRATAMENTO, PSORÍASE

© 2020 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações