Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 57 Número 1




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Tratamento sistêmico das micoses superficiais pelo ketoconazole

Systemic treatment of superficial mycosis with ketoconazole


LUIZ CARLOS CUCÉ1, ALBERTO SALEBIAN2, SEBASTIÃO A. PRADO SAMPAIO3

1Professor Docente-Livre do Hospital das Clínicas da FMUSP.
2Biologista-Assistente do Instituto de Medicina Tropical de S. Paulo da FMUSP
3Professor Catedrático de Dermatologia do Departamento de Medicina Tropical e Dermatologia da FMUSP

Trabalho realizado na Divisão de Clínica Dermatológica (Diretor Professor Sebastião A. P. Sampaio) do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

Correspondência:
Divisão de Dermatologia Hospital das Clínicas da FUMUSP C.P. 8091 01000 - São Paulo - SP

 

Resumo

São apresentados resultados do tratamento sistêmico com a ketoconazole em 51 casos de dermatofitose e de 21 casos de pitiríase versicolor. A droga foi administrada inicialmente na dose de 200mg/dia por 30 dias. Com este tratamento houve cura clínica e micológica em 39 pacientes (76,5%) e insucesso em 12 doentes (23,5%). Dos 12 doentes considerados como insucesso, sete receberam uma dose adicional de 400 mg/dia de ketoconazole, por outro período de 30 dias. Destes, cinco curaram-se (elevando a porcentagem de cura para 86,3% após 60 dias de terapêutica) e dos dois restantes que não se curaram, um era imunodeprimido com infecção por T. rubrum e outro apresentava tinha do pé por Trichophyton sp. e neste o insucesso talvez possa ser devido ao problema de absorção da droga. Na pitiríase versicolor obteve-se cura em 19 dentre 21 doentes tratados por 30 dias com dose de 200 mg/dia. Um dos doentes tratados com dose adicional de 400 mg/dia por mais de 30 dias, curou-se clínica e micologicamente. Hipocromia residual foi observada em alguns destes doentes. Não houve nenhum efeito colateral nos 72 doentes tratados, exceto quatro casos de epigastralgia que não impediram a continuação do tratamento. Finalmente cumpre registrar a eficácia terapêutica do ketoconazole na pitiríase versicolor, sendo a primeira droga ativa por via sistêmica no tratamento desta dermatomicose.

Palavras-chave: AGENTES ANTIMICÓTICOS, KETOCONAZOLE, MICOSES SUPERFICIAIS

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações