Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

38

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

38

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 60 Número 4




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Sulfono-resistência secundária – Comprovação laboratorial em seis casos

Secondary dapsone-resistance laboratorial confirmation in 6 cases


SINÉSIO TALHARI1, MARIA HELENA DOS SANTOS DAMASCO2, MARIA DA GRAÇA SOUZA CUNHA3, ANTONIO PEDRO SECHETTINI3, LYGIA MADEIRA CESAR ANDRADE4

1Professor Titular de Disciplina de Dermatologia - Departamento de Saúde Coletiva - Universidade do Amazonas
2Pesquisadora Assistente (Médica) - Laboratório de Hanseníase da Fundação Oswaldo Cruz
3Dermatologista do Centro de Dermatologia Tropical e Venereologia Alfredo da Matta
4Pesquisadora Titular (Médica) - Laboratório de Hanseníase da Fundação Oswaldo Cruz

Trabalho realizado no Centro de Dermatologia Tropical e Venereologia Alfredo da Matta - Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas - Faculdade de Medicina da Universidade do Amazonas e Fundação Oswaldo Cruz - Rio de Janeiro.

Correspondência:
Sinésio Talhari Av. Japurá, 572 69000 - Manaus - AM

 

Resumo

São estudados seis casos de sulfono-resistência secundária - qua¬tro com resistência total e dois com resistência parcial - diagnosti¬cados clínica e laboratorialmente através de inoculação em camun¬dongos. Os quatro doentes com sulfono-resistência total foram identificados entre aproximadamente 1.000 doentes em tratamento no Posto de Saúde do antigo leprosário de Manaus; os demais fazem tratamento ambulatorial em Manaus. Estes casos são, provavelmente, os primeiros casos brasileiros com sulfono-resistência, comprovados laboratorialmente. Os autores consideram que, mesmo diante da impossibilidade da inoculação em camundongos, a clínica, a bacterioscopia e a irregularidade do tratamento são suficientes para considerar a hipótese de sulfono-resistência e mudar a terapêutica.

Palavras-chave: DAPSONA RESISTÊNCIA, HANSENÍASE, HANSENÍASE, TRATAMENTO

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações