Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 60 Número 5




Voltar ao sumário

 

Artigos originais

Síndromes falcêmicas e úlceras de membros inferiores

SICKLING DISORDERS AND LEG ULCERATIONS


ANTÔNIO SÉRGIO RAMALHO1, LÚCIO AUGUSTO VELLOSO2, MARCIA DINIZ DE PAIVA3

1Professor Adjunto e Chefe do Departamento de Genética Médica da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas
2Bolsista da FAPESP
3Bolsista do Convênio UNICAMP/MES/DAE

Correspondência:
Departamento de Genética Médica Universidade Estadual de Campinas Caixa Postal 6.111 13100 - Campinas - SP

 

Resumo

A presença das diferentes síndromes falcêmicas foi investigada em amostra de 93 pacientes negróides com úlceras de membros inferiores. Os homozigotos SS e os heterozigotos SC apareceram na amostra em proporções 53 e 73 vezes maiores, respectivamente, que as esperadas ao acaso na população negróide em geral. Essas duas síndromes falcêmicas foram responsáveis, juntas, por 7,5% dos casos de úlceras de membros inferiores na amostra examinada. Já a freqüência de heterozigotos AS não diferiu significativamente da esperada em populações negróides do Sul e do Sudeste brasileiros, o que indica que o traço siclêmico não deve ser uma causa freqüente de úlceras de membros inferiores em nosso meio.

Palavras-chave: ÚLCERA DOS MEMBROS INFERIORES, SÍNDROME FALCÉMICA, ANEMIA FALCIFORME

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações