Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

Prazo encerrado para respostas!

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 60 Número 5




Voltar ao sumário

 

Comunicação

Tinea capitis na cidade de Manaus – AM

TINEA CAPITIS IN MANAUS, STATE OF AMAZONAS, BRASIL


MARIA DO SOCORRO DE SOUZA FURTADO1, LÚCIO TSHUYOKI IHÁTA2, MATIA DE FÁTIMA MATÓJA3

1Assistente de Pesquisa do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia
2Professor Adjunto - Disciplina de Dermatologia, Fundação Universidade do Amazonas
3Professor Assistnte - Disciplina de Dermatologia, Universidade Federal da Paraíba

Trabalho realizado no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia e Centro de Dermatologia Tropical e Venereologia Alfredo da Matta.

Correspondência:
Maria do Socorro de Souza Furtado Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA Estrada do Aleixo, 1756 69083 - MANAUS - AM

 

Resumo

Cento e quinze pacientes atendidos no Centro de Dermatologia Tropical e Venereologia Alfredo da Matta, na Cidade de Manaus, Amazonas, com diagnóstico clínico de Tinea capitis, foram submetidos a exame mitológico. A faixa etária esteve entre um mês e 54 anos e o aspecto clínico mostrou, em 70 (60,85%), eritema e descamação; em 16 (14,0%), eritema, descamação e cotos pilosos e, em 29 (25,15%), lesões inflamatórias. Procedimentos laboratoriais constaram de exame direto com KOH a 30% do material retirado das lesões, semeio em Micosel e incubação à temperatura ambiente (28°C a 30°C). Maior número de fungos dermatófitos isolados ocorreu na faixa escolar (37,0%) e no sexo feminino (52,2%). Os fungos isolados foram: Trichophyton tonsurans (91,7%), Trichophyton mentagrophytes (3,7%), Microsporum canis (1,9%), Trichophyton rubrum (0,9%), Microsporum audouinii (0,9%) e Microsporum gypseum (0, 9%). A prevalência de fungos antropofílicos nos isolamentos evidencia que, não obstante o processo de industrialização e urbanização que vem se verificando na cidade, as condições socioeconômicas da população continuam baixas, sendo este um dos fatores que contribuem para a propagação e permanência da Tinea capitis.

Palavras-chave: TINEA CAPITIS, DERMATOFITOSES

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações