Sociedade Brasileira de Dermatolodia

Anais Brasileiros de Dermatologia

GO TO

ISSN-e 1806-4841

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Associado da SBD, caso não possua ou esqueceu sua senha, solicite-nos.

Assinantes dos ABD

6

dias para responder ao Questionário Online

Acesso Restrito:


Assinantes devem se logar utilizando o e-mail cadastrado como login. Se não possuir, ou não lembrar o seu login e senha, Solicite Aqui!

Associados da SBD

Volume 73 Número 6




Voltar ao sumário

 

Educação médica continuada

Talidomida: mecanismo de ação, efeitos colaterais e uso terapêutico

Thalidomide: action, collateral effects and therapeutic use


GERSON OLIVEIRA PENNA1, ANA MARIA COSTA PINHEIRO2, LUDHMILA ABRAHÃO HAJJAR3

1Especialista. Sociedade Brasileira de Dermatologia. Médico Assistente.
2Especialista. Sociedade Brasileira de Dermatologia. Mestre em Dermatologia. Universidade de São Paulo. Professora Adjunta de Dermatologia.
3Acadêmica do 4º ano de Medicina.

_Recebido em 23.7.98._ _Aprovado pelo Conselho Consultivo e aceito para publicação em 25.9.98._ *Trabalho realizado no Hospital Universitário de Brasília, Universidade de Brasília.*

Correspondência:
Gerson Oliveira Penna Dermatologia do Hospital Universitário de Brasília SGAN 605_ Brasília DF 70720-560

 

Resumo

A talidomida, droga oral comercializada nos anos 50 como sedativo, tem sido usada no tratamento de várias patologias. Apesar de inicialmente suspensa do mercado, após seu uso ter sido associado à teratogenicidade, a talidomida tem sido gradualmente reintroduzida no tratamento de doenças auto-imunes e inflamatórias. Sua ação sobre o sistema imunológico é pleomórifa, incluindo potente inibição do fator de necrose tumoral-alpha;, redução da taxa de linfócitos CD4/CD8 e supressão dos mecanismos de fagocitose. Doenças nas quais a talidomida tem-se mostrado eficaz incluem: eritema nodosa hansênico, lúpus eritematoso, doença do enxerto-versus-hospedeiro, estomatite aftosa, doença de Bençet, prurigo actínio e prurigo nodular, entre outra. Efeitos colaterais como neuropatia periférica e teratogenicidade ainda representam consideráveis faores limitantes ao seu uso. À medida que mais conhecimento for adquirido quanto ao seu mecanismo de ação, farmacocinética e efeitos colaterias, mais freqüente e adequadamente a talidomida será utilizada.

Palavras-chave: USO TERAPÊUTICO, EFEITOS ADVERSOS, IMUNOSSUPRESSORES, TALIDOMIDA

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações